Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 25 de novembro de 2008

John Holt disse...

"Ninguém nasce estúpido. Temos apenas de prestar atenção aos bebés e às crianças para vermos que demonstram um desejo e uma capacidade de aprender que, se demonstrada por qualquer adulto, diriamos ser genial. Mas o que acontece a esta capacidade extraordinária para a aprendizagem e ao crescimento intelectual quando começamos a crescer?

O que acontece é que ela é destruída pelo processo a que erradamente chamamos de educação - um processo que acontece em casa e nas escolas. Nós, os adultos, destruímos a maior parte da capacidade criativa e intelectual das crianças através das coisas que lhes fazemos ou das coisas que as forçamos fazer. Destruímos esta capacidade sobretudo ao torná-las receosas, com medo de não fazerem o que outras pessoas querem, de não as satisfazerem, de errarem, de falharem, de se enganarem. Desde modo, criamos nelas o medo de experimentar, de tentar o difícil e o desconhecido.

Destruímos o amor desinteressado (não quero com isto dizer a falta de interesse) que as crianças têm pela aprendizagem - fortíssimo quando são pequenas -, quando as encorajamos a trabalhar para obterem recompensas triviais e desprezíveis - estrelinhas de papel dourado ou testes marcados com 100% que depois penduramos na parede… - ou seja, pela ignóbil satisfação de se sentirem superiores aos outros.

Incentivamo-las a sentir que o objectivo e o propósito de tudo que fazem na escola não é mais do que terem boas notas nos testes ou impressionarem os outros com o que parecem saber. Destruimos não só a curiosidade delas mas o senso de que a curiosidade é algo bom e admirável, de modo que, quando chegam aos dez anos de idade, a maior parte delas já não faz perguntas e demonstra desprezo aos poucos que ainda as fazem."

2 comentários:

Pequete disse...

Que verdade que isto é... Ainda ontem pensei nisto, Celebra-se aqui na cidade, a semana da Ciência e da Tecnologia. As Escolas Superiores organizam várias actividades, abertas à população e eu inscrevi-me em algumas com a mais pequena (7 anos). Ontem fomos à primeira, uma visita a um laboratório onde se demonstravam métodos de observação de parasitas em animais (ela gosta muito de tudo o que se relacione com veterinária). Éramos nós as duas e 14 alunos de um curso profissional, de um ano equivalente ao 12º. Quando o técnico, depois de fazer uma demonstração, perguntou se alguém queria experimentar, a M. foi a primeira a oferecer-se. Depois uma aluna disse, com ar contrafeito "eu não me importo de experimentar" (reparar no "não me importo"). No final, quando o senhor perguntou se alguém queria fazer perguntas, adivinhem quem (para além de mim) foi a única a fazer uma? Pois...

Tibetan Star disse...

Que óptimo exemplo! Obrigado por teres partilhado.