Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Bullying e suicídio = bullycídio

As famílias que educam os filhos em casa fazem-no por uma variedade de razões. Um dos motivos é a consciência do problema crescente da violência escolar e dos danos causados pelo bullying.

“… 40% de crianças sofre com este problema…”

Se estiverem interessados em aprender mais sobre este tema, recomendo que leiam Bullycídio: morte na hora do recreio, por Neil Marr e Tim Field, um livro que expõe o número de suicídios juvenis devido ao bullying nas escolas.

"Os agressores atormentam as suas presas durante semanas, meses ou anos, até que a raiva acumulada no interior do alvo explode violentamente. A maior parte das vítimas dirigem a raiva para si próprias - e o resultado é a depressão, auto-mutilação ou o suicídio. Este acto heróico contrasta flagrantemente com a natureza cobarde e agressiva dos provocadores que, ao serem chamados a prestar contas, tudo negam, sendo muitas vezes capazes de manipular as percepções dos adultos responsáveis de tal modo que também estes começam a vitimizar o alvo."

Há, todos os anos, famílias que ao chegarem a casa encontram seus filhos mortos. Vêm depois a saber que a causa do suicídio foi o bullying, que já vinha acontecendo há meses, e que a escola, apesar de ter estado a par da situação, nada fez. Quando os pais começam a investigar o caso são imediatamente incriminados e vilificados, tal como os filhos foram.

O livro é a resposta a todos os gritos de desespero, ouvidos ou não, e pedidos de ajuda. Algo tem de ser feito. A desculpa do "não sabíamos" ou "nós não compreendemos" não é válida.

"Apesar dos repetidos apelos à acção, o Departamento da Educação continua com orelhas mocas e palavras ocas, recusando-se a manter estatísticas sobre o número de tais mortes. A causa de morte, para ser registrada como suicídio, tem de satisfazer o critério de "inequívocidade", mas como geralmente as circunstâncias não são suficientemente claras as mortes são dadas como acidentais."

4 comentários:

Luisa_B disse...

Olá Paula,
Parabéns pelos excelentes post's.
É preciso alertar as pessoas do que se passa hoje nas escolas, isto não é mais como antigamente onde de facto em certa altura se podia aprender algo que não se obtivesse em algumas casas familiares como a boa educação, maneiras etc, então a escola funcionaria nesse sentido.
Hoje o oposto é o que se vive, levamos os nossos filhos educados para a escola e confraternizam com os que não o sejam e se não são de se aparelharem aos grupos dos insolentes vão sendo estas vitimas e até que um dia alguns acabem com a sua vida. O meu filho é a prova viva disso...
Copiei o post e coloquei no meu blog linkando o seu blog para que as pessoas adquiram mais consciência do que se passa e quando as mães aflitas falam que os filhos se suicidarão caso tenham de regressar à escola que as oiçam e não façam as ditas orelhas moucas porque depois vão dizer que o sistema falhou mas isso eu não aceitarei!

Tibetan Star disse...

Olá Luisa,

Obrigada pela visita. Confesso que escrevi este post pensando em vocês e em todas as famílias que estão na mesma situação.

Concordo plenamente que é preciso consciencializar as pessoas para o que se passa nas escolas.

Acabei de ler este artigo, sobre um menino de 13 anos que, semanas antes de se ter suicidado, tinha dito aos pais que lhe tinham posto de castigo numa sala de isolamento semelhante a uma cela de prisão. Aí, enforcou-se com a corda que o professor lhe tinha dado para fazer de cinto.

Luisa_B disse...

Obrigada pelos post's e noticias muito importantes que tem colocado.

FERNANDO disse...

A psiquiatra Ana Beatriz Barbosa tambem escreveu um livro sobre o assunto...esse parece ser muito bom...vamos divulgar...o assunto é muito mais serio do que se imagina