Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Aprender sem escola: o livro!

Ross Mountney, autora de Learning Without School: Home Education é uma ex-professora e mãe de dois filhos que, embora tivessem frequentado inicialmente a escola, aprendem em casa há 8 anos.

"Enquanto algumas pessoas recordam a escola como os melhores dias das suas vidas, para outras a experiência é desagradável e arrasante. Aprender sem Escola é um manual para os pais que querem educar os filhos em casa mas não têm confiança para fazê-lo.

O livro explica o que o ensino doméstico é, as vantagens e desvantagens desta via, como começar, o que se precisa fazer, etc. Ross Mountney considera também as crianças com dificuldades na aprendizagem ou necessidades especiais e como abordar o ensino doméstico neste caso."

O que se segue é a tradução de uma entrevista no Times Online. O original encontra-se aqui.

"Quando a maioria dos pais pensam sobre a educação, tendem a pensar em escolas, salas de aulas, testes e professores. Mas para nós, assim como para milhares de outras famílias, educar não envolve nada disso pois já praticamos o ensino doméstico há 9 anos!

Aprender em casa soa um pouco estranho e 'alternativo'. Mas para muitas pessoas trata-se de um estilo de vida muito normal. Assim como a nossa rotina andava à volta dos uniformes, merendas, trabalhos de casa e decidir se eles estavam realmente doentes ou arranjando desculpas para faltarem às aulas, a nossa rotina passou a ser a de criar uma educação adequada aos nossos filhos, que inclui visitas de estudo, actividades de grupo, com outros praticantes do ensino doméstico, passeios e trabalhos de casa feitos durante o dia. E as doenças desapareceram! Na prática quase nunca paramos em casa - há tantas experiências maravilhosas lá fora, tantas oportunidades educacionais, que temos de planear tempos passados dentro de casa!

Essa é a coisa fantástica do ensino doméstico: dá-nos a oportunidade de manter vivo o interesse pela aprendizagem. Estamos habituados a pensar que só existe uma maneira de educar: na escola, sentados, com professores, escrevendo apontamentos no caderno... Mas as famílias que seguem o ensino doméstico demonstram que há tantas formas de educação como há estilos de vida. Algumas famílias limitam-se a usar livros que seguem o curriculo escolar. Mas outras escolhem abordagens mais abertas e flexíveis, seguindo os interesses das crianças e usando-os para estimular o desenvolvimento de outras competências. Assim, a educação torna-se parte natural da vida, em vez de algo à parte, separado da vida.

Mas o que a maior parte dos pais que educam os filhos em casa têm em comum é o desejo de ver os seus filhos felizes, satisfeitos, atingindo as suas potencialidades, desenvolvendo as suas competências, pessoais e académicas, e experienciando bons relacionamentos. Acima de tudo, querem que a aprendizagem seja uma experiência feliz. E é a ausência desses resultados em algumas escolas que leva muitos pais a educarem em casa.

Ao contrário do que talvez pensem, educar em casa não é difícil. O essencial é o afecto, o interesse e a vontade de aprender por parte dos adultos. Os pais não precisam de saber tudo - para isso têm a internet! Não têm de ensinar tudo - as crianças aprendem imenso sem serem ensinadas. Não têm que trabalhar o dia todo sentados à secretária porque, agora que não desperdiçam tempo na escola, as crianças aprendem muito depressa.

A coisa mais difícil é tomar a decisão. E depois, gerir a rotina da família. Para alguns, porém, a decisão não é difícil - é tão óbvio que a escola é, por vários motivos, incluindo bullying, tão mal adaptada às crianças, que os pais as retiram de lá e resolvem os aspectos práticos mais tarde. Para outros, a decisão é mais filosófica, baseada em perspectivas pedagógicas. Para a maioria, é uma decisão baseada em querer proporcionar aos filhos uma experiência de aprendizagem feliz.

Vocês podem perguntar: O que é que a felicidade tem a ver com isto? Bem - é essencial, porque a verdade é que as crianças aprendem melhor quando estão felizes; e mais provavelmente conseguirão uma vida profissional feliz.

Criar uma aprendizagem feliz para os nossos filhos não significa que lhes fazemos todas as vontades ou que nunca os expômos a situações que prefeririam evitar. Significa simplesmente que os respeitamos e que levamos as suas opiniões a sério. O bem-estar deles é importante. As suas personalidades têm de ser levadas em consideração. Às vezes, no nosso sistema educacional, as politiquices são mais importantes do que as crianças.

A verdadeira beleza do ensino doméstico é que os pais e os filhos criam os seus estilos de aprendizagem e as suas próprias vidas. E é através disto que as crianças aprendem a construir vidas para além da escola, o que, no fim, deveria ser o objectivo da educação: o de construir vidas felizes.

Surpreendentemente, para praticarmos o ensino doméstico só precisamos de:

· estar interessados

· ter tempo disponivel e a capacidade de adaptar a nossa vida profissional

· ter uma boa relação com os nossos filhos

O resto aprende-se fazendo.

O ensino doméstico não é para todos. Mas para algumas crianças, incluindo adolescentes, é uma opção muito melhor do que a escola."

Podem comprar o livro aqui.

Sem comentários: