Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 10 de março de 2009

Ensino doméstico: um artigo

Tradução livre deste artigo, publicado há 4 dias:

"Se estiverem a pensar educar os vossos filhos em casa em vez de mandá-los para a escola, não estão sozinhos. No Reino Unido, por uma série de razões, milhares de famílias optam pelo ensino doméstico. Muitas estão desiludidas com o sistema de ensino público, outras querem seguir determinada abordagem na educação dos filhos.

Na Inglaterra e no País de Gales, a lei diz que todas as crianças de idade escolar devem ter uma educação adequada, na escola ou de outra forma. A lei diz que os pais de todas as crianças de idade escolar obrigatória devem fazer com que os filhos recebam uma educação eficiente, a tempo inteiro e adequada às idades, capacidades e aptidões dos filhos e a quaisquer necessidades especiais que eles possam ter, seja frequentando regularmente a escola ou de outra forma. E cada vez mais famílias estão escolhendo outra forma, optando pelo ensino doméstico pelas mais variadas razões.

“Educar em casa não é para todos pois exige um grande compromisso por parte dos pais e dos filhos", diz Hayley Clayton, uma mãe que educou os três filhos - Abbi, Jacob e Chris – consoante as necessidades individuais de cada um deles. "Chris é educado em casa porque a escola não tem a capacidade de satisfazer as necessidades dele ... e tem-se dado mutíssimo bem em casa. Mas acho que é importante haver clareza entre os pais e os filhos porque se não diferenciarmos o papel de educador e de pai a relação pode se tornar estressante".

Não existe uma abordagem à aprendizagem que seja adequada a todos, por isso o ensino doméstico oferece uma alternativa às famílias que não se sentem satisfeitas com escolarização em massa. Para educar em casa, estas famílias não são obrigadas a seguir nenhum currículo, horários escolares ou a obter qualificações formais; a maior parte dos pais que optam pelo ensino doméstico não são, nem nunca foram, professores.

No entanto, pesquisas têm verificado que nas avaliações nacionais dos programas de literacia 80,4% das crianças educadas em casa estão, a nível de estudos, a par com os melhores 16% das crianças educadas na escola.

Os pais que educam os filhos em casa dizem que o ensino doméstico trouxe mais benefícios do que esperavam, e salientam o facto de que os filhos podem aprender o que querem aprender, quando querem aprender. Embora certificados e diplomas não sejam obrigatórios, muitas famílias que praticam o ensino doméstico gostam de fazer exames como candidatos externos.

No ensino doméstico existem várias abordagens, dependendo da família e da preferência dos filhos em relação à aprendizagem. Há pais que ensinam de uma maneira formal, seguindo um horário fixo e ensinando matérias de uma forma estruturada, trabalhando, por exemplo, para alcançarem determinados objectivos curriculares. Mas há muitos pais que optam pela abordagem autónoma, deixando os filhos escolher as matérias que querem aprender e decidir quando as querem aprender."

Sem comentários: