Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

domingo, 5 de abril de 2009

Como funciona o ensino doméstico II

A primeira parte do artigo encontra-se aqui.

A decisão de educar os filhos em casa


Educar os filhos em casa é uma decisão importante. Como em qualquer outra decisão, o essencial é pesquisar o tópico falando, idealmente, com pessoas que já têm alguma experiência e perguntando-lhes o que elas gostam - e não gostam - do ensino doméstico. Se não conhecem ninguém, tentem saber se os vossos amigos ou vizinhos conhecem. Também existem vários sites, fórums e grupos-yahoo sobre o ensino doméstico onde podem entrar em contacto com famílias que já praticam o ensino doméstico.


As bibliotecas também podem ser úteis. Além de livros de referência, como o Homeschooling Almanac de Mary e Michael Leppert, e Homeschooling for Success, de Rebecca Kochenderfer e Elizabeth Kanna, pode ser que consigam encontrar livros como Real-Life Homeschooling, de Rhonda Barfield, que conta a história de 21 famílias muito diferentes que praticam o ensino doméstico.

Se estiverem a pensar no ensino doméstico como uma possível via para os vossos filhos, vale a pena reflectir em algumas questões. Se quiserem, podem escrever as vossas respostas para futura referência.

Por que é que querem praticar o ensino doméstico?

Se decidirem optar pelo ensino doméstico, a resposta a esta pergunta vai ajudar-vos a escolher o método ou estilo. Portanto, é boa ideia serem o mais claros possível.

A vossa família tem condições para o ensino doméstico?

Os custos financeiros dos materiais necessários para o ensino doméstico variam muito: entre umas centenas de euros por ano ou muito, muito mais. Normalmente o maior custo é o de um salário perdido. Nas famílias que praticam o ensino doméstico é normal um dos pais ficar encarregado da educação dos filhos. Isso geralmente significa que não terá muito tempo disponível para o trabalho remunerado. Contudo, como cada vez mais pessoas trabalham em casa, este não é o único cenário. Na verdade, há famílias onde ambos os pais conseguem trabalhar, como por exemplo quando trabalham por conta própria a partir de casa. Nesta situação, com uma programação criativa, os pais podem adoptar o papel de "professor" do ensino doméstico e ter também outro emprego.

Sentem-se preparados (as) para educar os vossos filhos?

Notem que a pergunta se concentra no que VOCÊS sentem, e não no que o Estado ou a Direcção Regional de Educação acha. O que VOCÊS sentem é essencial, pois a auto-confiança é muito importante. Se a ideia de assumir responsibilidade pela educação dos vossos filhos vos arrepiar, isso é algo que não devem ignorar.

O que é que os vossos filhos sentem e pensam a respeito do ensino doméstico?

Quer os vossos filhos tenham sete anos de idade quer sejam adolescentes, esta pegunta é importante. Se vocês não têm reservas quanto ao ensino doméstico e se os vossos filhos também concordam, isso já é um grande avanço. Mas se os vossos filhos não estiverem completamente seguros de que é isso que querem, se não estiverem prontos a optar pelo ensino doméstico e a planejar o material, tentem descobrir porquê. Façam uma lista dos prós e contras e, conversando, tentem identificar os pontos que estão influenciando a decisão final. Poderão convencer os vossos filhos de que o ensino doméstico seria a melhor decisão ou eles poderão convencer-vos que não. Pode ser que decidam experimentar por algum tempo. Tomem nota destas discussões iniciais e voltem ao tema no final do primeiro ano do ensino doméstico. Este processo pode ser o vosso primeiro projecto educativo.

A partir de agora, para efeitos deste artigo, vamos supor que vocês optaram pelo ensino doméstico. Qual é o passo seguinte? Identificar os requisitos legais para o ensino doméstico.

Continua...

3 comentários:

Isabel de Matos disse...

Paula, quando puderes passa lá pelo Pés Na Relva, temos novidades (não, desta vez não é nenhum selo nem prémio! :) )
Beijinhos
Isabel

Isabel de Matos disse...

Ah! E estes posts estão muito elucidativos! Como sempre...

Paula Peck disse...

Já lá fui e gostei das novidades:

tenho a certeza que em Portugal acontecerá o mesmo que no resto do mundo, ou seja, o interesse pelo ensino doméstico vai aumentar e a procura de informação também.

Daí a importância das vossas páginas mais recentes: a da bibliografia e a da legislação.