Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 2 de junho de 2009

Aprender a identificar flores

não é tão fácil como isso!

Alguma de vocês tem algumas dicas?

Sabem de alguns bons sites na internet?

Esta é a única que sabemos: a flor do morangueiro!

As outras são flores silvestres daqui do sul da Inglaterra

mas não sabemos os nomes delas.

Engraçado como a mente gosta de rotular tudo aquilo com que entra em contacto, e como muitas vezes acaba confundindo o rótulo com o objecto, esquecendo-se de que o nome não é a coisa observada e que lá porque deu nome à coisa isso não significa que, de facto, conheça a coisa.

Afinal, a percepção directa, a percepção visual de formas e cores, a percepção de odores, a percepção táctil através do manuseamento, e até, neste caso, a gustativa, porque há muitas flores comestíveis, é a base de todo o conhecimento. O resto, muitas vezes, são teorias...

E assim vamos da observação da natureza à fotografia e da botânica à epistemologia; o processo flui espontaneamente, seguindo a curiosidade natural, totalmente relacionado com a vida, compreendendo intuitivamente a inter-conectividade de todas as coisas e recusando-se teimosamente a compartimentalizar o conhecimento em disciplinas separadas: bem vindos ao ensino doméstico, bem vindos à aprendizagem autónoma, bem vindos ao unschooling!

5 comentários:

Pequete disse...

É engraçado que este fim de semana, às voltas com os meus guias novos durante um passeio pelo campo, dei comigo a pensar exactamente o mesmo: porquê esta necessidade de querer saber os nomes das plantas, não poderia simplesmente deleitar-me a olhar para elas e a disfrutar da beleza e do momento sem me massacrar à procura do nome, que não passa de um rótulo dado por alguém? Mas é impossível, não consigo...
A minha botânica ée bastante fraca, mas a última planta sei que é uma Aquilegia (a espécie exacta não sei qual é). A primeira de todas parece-me uma roseira brava (Rosa canina), embora também pudesse ser uma simples silva, que tem as flores muito parecidas (Rubus). A penúltima parece-me um Geranium, talvez a erva de São Roberto.
Na internet há um site giro para a flora do UK e Irlanda em
http://www.botanicalkeys.co.uk/flora/
e um livro bom para principiantes porque tem fotografias tiradas ao longo do ano, conforme as plantas vão dando flor, fruto, etc. (Wild Flowers of Britain, de Roger Phillips).
Se vives perto de alguma Reserva Natural, ou Parque Natural, ou sítio da Rede Natura 2000, há, com certeza, material de divulgação sobre a flora desses sítios, provavelmente até gratuito.

Pequete disse...

Esqueci-me de acrescentar que no site da Botanical Society of the British Isles (http://www.bsbi.org.uk/) tens informação que nunca mais acaba, foi de lá que tirei o link par a outra página.

Crix disse...

Olá Paula, bom dia!
Venho agradecer a visita ás minhas plantas e com muita pena minha não consigo ajudar mais na identificação das plantas do que a pequete já ajudou :(
Ainda sobre este post, que achei interessantíssimo pois também já tenho pensado sobre a questão dos rótulos, curiosamente, nunca tinha associado esse assunto aos nomes das plantas. Por acaso os nomes das plantas eu até acho que ajudam a conhecê-las, a admirá-las, dizem-nos muito sobre elas, sobre o meio em que vivem...
E este rotular não me parece negativo. É antes 'arrumar' a informação para entender melhor e sem menosprezar de modo algum a percepção directa que para mim é fundamental.
Ainda sobre o Aprender sem escola, adorei conhecê-lo, já 'aprendi' muito nesta breve visita e vou ter muito prazer em ir voltando :) As minhas plantas também estão sempre á disposição ;)
Abraço

Paula Peck disse...

Pequete e Crix

Fiquei tão contente ao ler os vossos comentários! E senti muita gratitude também.

Adoro este processo de descoberta e de aprendizagem, de pessoas compartilhando voluntariamente os seus conhecimentos, de uma maneira não-hierárquica e não-formal.

Típico do unschooling mas também me faz lembrar o conceito da escola de rede, em que a "escola" é a própria rede social, a interacção voluntária entre pessoas que têm interesses comuns e o prazer de partilhar as descobertas que vão fazendo ao longo do seu percurso de aprendizagem.

Espero que tenham um dia muito muito feliz!

Francisco Clamote disse...

Paula:
Estive a ver as flores e confesso que não conheço nenhuma delas. Sorry.