Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 14 de julho de 2009

Alienação na Escola

Há uns dias atrás um comentário fez-me pensar na forma como o sistema de ensino contribui para a alienação das massas. Ontem descobri o trabalho de Bruno Carrasco, onde ele reflete sobre o sistema de ensino tradicional:

"professores e alunos são tratados como reprodutores da ideologia de uma classe dominante, que possui interesses sobre outras classes e que, por meio da alienação exerce e legitima o seu poder. Por conseqüência, ocorre o distanciamento do indivíduo perante a si mesmo e perante os outros, se movendo para a reprodução de uma série de comportamentos, sentimentos e pensamentos de uma cultura massificadora e limitadora da existência."

É um trabalho que vale a pena ler, fazendo referência a uma série de autores e livros bem interessantes. Aqui ficam uns exemplos:

“O homem alienado é o homem desprovido de si mesmo. Se a história distancia o homem do animal, a alienação re-animaliza o homem”.

Wanderley Codo, em O Que é Alienação.

Se através da alienação o homem torna-se alheio de si, este deixa de pertencer a si mesmo, “(...) o homem perde não apenas a identidade de si mesmo, a consciência de si, mas passa a pertencer ao objeto, à coisa, ao outro. (...) Sua vontade é assim a vontade de outro: ele é coisificado."

“Pelo trabalho, o homem se aliena. Pela educação, preparam-no para a alienação. A educação é assim a maior arma de que dispõem os senhores da propriedade privada, para que tudo continue como está”.

Leôncio Basbaum, em Alienação e Humanismo.

"(...) o educador imagina que serve ao saber e a quem ensina mas, na verdade, ele pode estar servindo a quem o constitui professor, a fim de usá-lo, e ao seu trabalho, para os usos escusos que ocultam também na educação – nas suas agências, suas práticas e nas idéias que ela professa – interesses políticos impostos sobre ela e, através de seu exercício, à sociedade que habita. E esta é a sua fraqueza. "

Carlos R. Brandão, em O que é Educação.

No seu trabalho, Bruno também menciona Rubem Alves:

"Nossas escolas são construídas segundo o modelo das linhas de montagem. Escolas são fábricas organizadas para a produção de unidades biopsicológicas móveis, portadoras de conhecimentos e habilidades. Esses conhecimentos e habilidades são definidos exteriormente por agências governamentais a que se conferiu autoridade para isso. Os modelos estabelecidos por tais agências são obrigatórios, e têm a força de leis. Unidades biopsicológicas móveis que, ao final do processo, não estejam de acordo com tais modelos são descartadas. É a sua igualdade que atesta a qualidade do processo. Não havendo passado no teste de qualidade-igualdade, elas não recebem os certificados de excelência ISSO-12.000, vulgarmente denominados diplomas. As unidades biopsicológicas móveis são aquilo que vulgarmente recebe o nome de “alunos”. "

Para Basbaum (1982), “Essa educação tem por principal objetivo enquadrar o homem dentro do esquema social vigente, fazendo-o aceitar todas as crenças, valores, tabus, preconceitos em vigor, a fim de transformá-lo em uma criatura alienada (...)”.

No último capítulo Bruno Carrasco lembra-nos o alerta de Paulo Freire: “o homem deve ser o sujeito de sua própria educação, não pode ser o objeto dela, por isso, ninguém educa ninguém (...) não podemos nos colocar na posição do superior que ensina um grupo de ignorantes, mas sim na posição humilde daquele que comunica um saber relativo a outros que possuem outro saber relativo”.

Educação “(...) não é um processo de adaptação do indivíduo à sociedade”; “o homem deve transformar a realidade para ser mais”, para se tornar e existir. Se a educação alienada faz do homem um objeto, as relações no processo de educação não podem ser de domesticação ou submissão diante de um ser."

Se quiserem, podem ler Alienação na Escola na íntegra aqui.

5 comentários:

P e M disse...

"“Pelo trabalho, o homem se aliena. Pela educação, preparam-no para a alienação. A educação é assim a maior arma de que dispõem os senhores da propriedade privada, para que tudo continue como está”."

Não podia estar mais de acordo!!!

;o)

Paula disse...

"O pior de toda essa tragédia é aquele indivíduo que, manipulado pelos ditadores do saber, não se sente alienado e continua reproduzindo a hipocrisia intelectual. Esse problema resulta em um sistema onde o professor é um alienado-alienador e o aluno, um indivíduo (...) que reproduzirá a alienação-alienada do professor."

Felipe Luiz Gomes Figueira, DITADURA DA PSEUDO-EDUCAÇÃO

bruno nobru disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Carrasco disse...

Paula, pesquisando na internet encontrei seu blog e, além de gostar muito do conteúdo, também fiquei contente em ver que mencionou o trabalho que escrevi em 2005, inclusive achei muito relevante suas observações!

Encaro o diálogo como um grande meio de aprendizagem e, cada vez mais, tenho percebido os blogs como espaços democráticos de trocas de conhecimento, obrigado.

Douglas Paz disse...

Muito bom! Vou comferir o ALIENAÇÃO NA ESCOLA agora.