Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Gripe suína nas escolas? Aprendam em casa!

Na Grã-Bretanha já foram registados casos de gripe suína em mais de 1.000 escolas, e mais de 60% das infecções foram em crianças e adolescentes.

Segundo este artigo, se as escolas fecharem por causa da gripe suína, o governo pode forçar a BBC a mudar de programação a fim de incluir programas educacionais. Os ministros britânicos consideraram usar a internet mas como nem todos têm acesso à banda larga resolveram que a televisão seria o meio mais eficaz de fazer com que as aulas chegassem directamente às casas dos alunos.

É mesmo, o plano de contingência é... educação em casa!

Bem, para nós, que praticamos o ensino doméstico, o problema e a solução parece óbvia. Mas para quem precisa de ouvir da boca dos supostos "experts", Gregory Hartl, porta-voz da OMS (Organização Mundial de Saúde), confirma que as "crianças, adolescentes e jovens adultos" continuam a ser os mais atingidos pelo vírus, "provavelmente porque ele se espalha mais rapidamente em escolas e instituições". (Podem ver aqui.)

Mais uma razão para o ensino doméstico, não?

Em Portugal, se as escolas tiverem de fechar, o plano de contingência é muito semelhante, incluindo "estratégias de informação e envolvimento dos pais que lhes permitam apoiar a realização de trabalhos escolares em casa, ... o recurso ao teletrabalho e actividades via e-mail." (Ver aqui.)

O que me entristece é ler notícias como esta; de pais exigindo a substituição dos professores e dos auxiliares que vierem a ficar de quarentena, supostamente preocupados com a aprendizagem dos filhos.

Será que se estão borrifando para a saúde dos filhos? Será que não sabem que o vírus se espalha mais rapidamente em escolas? Será que a escola se tornou de tal modo a vaca sagrada da nossa cultura que a vida e saúde dos filhos vem em segundo lugar? Será que a possibilidade de terem de passar algum tempo na companhia dos filhos os repulsa? Por favor expliquem porque para mim não faz sentido!

Links:

Guia para a elaboração de Planos de Contingência (creches, jardins-de-infância, escolas e outros estabelecimentos de ensino)

Informação e recomendações para escolas e outros estabelecimentos de educação

8 comentários:

P e M disse...

"O que me entristece"

Olha, a mim nem sei muito bem se me dá vontade de rir ou de chorar... mas esta notícia nunca pensei em ler.

Beijinhos,
Pat

Paula disse...

Eu nem sei o que dizer... será que se sentem aterrorizados com a ideia de terem de faltar ao trabalho, de perderem o emprego, ou coisa do gênero?

P e M disse...

Para mim sentem-se é amedrontados por ver os filhos em casa e com aquela sensação de que "o que é que eu faço com esta criança?"

É que não é fácil...

:o|

Blue disse...

Pois o problema dos pais é mesmo o ter que "aturar" os meninos... pergunto-me varias vezes para que os têm, se vão ser educados e moldados por desconhecidos...

Mais vale uma gripe na criança, que uma dor-de-cabeça na mamã!!!!

Excelente Blog!
Blue

Isabel de Matos disse...

Parece-me que é bem isso de não saber que alternativas adoptar para não faltar ao emprego.

Quando tinha as minhas filhas na escola, chegou a acontecer-me elas terem que ficar em casa doentes e ser uma dificuldade que a própria pediatra delas me passasse um atestado médico. E se fosse agora nem sei como seria, pois os atestados médicos só podem ser passados pelos médicos que trabalham em centros de saúde públicos. (Para além de que, mais de uns dias, descontam-nos no ordenado).

O que vale é que o Alexandre não vai à escola, raramente fica doente (ficou umas três vezes com tosse e febre e vómitos, em seis anos), eu tenho um horário "de trabalho por conta de outrém" muito mais reduzido e tenho várias pessoas que me apoiam (marido, sogra, filha mais velha, namorado da filha mais velha...) e a quem posso recorrer em situações críticas.

É outro "estilo de vida", tem que fazer muito sentido a cada um para cada um poder adoptá-lo, tudo funciona de uma maneira diferente.

Já percebi que muita gente nem nunca pensou nisso; ontem quando respondi a uma colega que me perguntou se o meu filho já estava na escola, que sim, que o tinha inscrito este ano em ensino doméstico, ela perguntou "O que é isso?", e quando lhe expliquei, não fez comentários desagradáveis e até disse "Bem, olha o que tu vais poupar em dinheiro, em tempo e em dores de cabeça!" e acrescentou que não sabia que era possível fazer-se tal coisa, que sempre pensou que era obrigatório pôr os filhos ou numa escola pública, ou numa particular, não havia outra alternativa... "O que tudescobres!", rematou ela.

Dora disse...

Desculpem, mas acho que estão a exagerar um bocadinho. Provavelmente têm alguém que ganhe o dinheiro suficiente para manter a vossa casa, água, luz, condomínio, seguros disto e daquilo, comida, isto parece-me ser o mínimo, e já não sai barato. Pensem um pouco e percebem que há pais que não podem mesmo faltar ao emprego durante um mês ou dois ou três, não têm como sustentar a família, a não ser que fiquem a dever aquilo que consomem. Parece-me um pouco rídiculo ver as coisas de um só prisma pensando que nós é que estamos certos. Naturalmente que também haverá aqueles que não querem ficar com os filhos em casa, não por não puderem, mas porque não lhes apetece. Sou muito a favor da Educação em casa.
Dora

Paula disse...

Ena, este tópico deu muito que falar! Que bom!

Blue e Dora, prazer em conhecer-vos! Apareçam sempre, as vossas opiniões e perspectivas são muito bem vindas.

As famílias que por motivos de sobrevivência não se podem dar ao luxo de faltar ao trabalho encontram-se numa situação realmente muito difícil, e quem sou eu para criticar alguém?

Acredito que todos nós fazemos o melhor que podemos e que as nossas opções de vida vão mudando à medida que a nossa compreensão e consciência vai aumentando.

Beijinhos a todas!

P e M disse...

Blue: "Mais vale uma gripe na criança, que uma dor-de-cabeça na mamã!!!!"

Olha, não pude deixar de rir!!! Principalmente porque a minha folha está "naquela fase" do NÃO a tudo: a comer, a vestir-se, a tomar banho, etc... Dá cá uma trabalheira!!!

"Acredito que todos nós fazemos o melhor que podemos e que as nossas opções de vida vão mudando à medida que a nossa compreensão e consciência vai aumentando."

Ora nem mais!

;o)