Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Carnaval de blogs - Viver a diferença

Ao ler o tema proposto para este “Carnaval Educando en Familia”, a primeira coisa que me veio à cabeça foi uma citação de E E Cummings, onde ele diz mais ou menos o seguinte:
“Não ser ninguém excepto você mesmo, num mundo que se esforça dia e noite para torná-lo igual a todos os outros, é lutar uma das mais difíceis batalhas que todo ser humano poderia enfrentar, e que nunca deveria deixar de lutar.”
Para nós, viver a diferença é algo muito positivo e, na verdade, a única opção que nos parece possível, pois “viver o igual” seria uma espécie de morte, uma vez que implicaria sermos “outro” e, portanto, vivermos alienados de nós próprios.

Lembro-me de uma conversa, já faz uns 3 anos, em que às tantas alguém perguntou:

“Achas que deveríamos fingir ser como os outros?”
O meu filho imediatamente perguntou: “Para quê?”
Depois de um silêncio, retorquiram:
“Para nos juntarmos ao rebanho?”
Ao que o meu filho respondeu:
“Mas a respeito de quê é que eu quereria fazer isso?”

Viver a diferença, ou seja, ser quem realmente somos e viver a vida que realmente queremos viver, é algo absolutamente essencial para o bem estar emocional e saúde mental de todos nós, independentemente da idade que tenhamos.

O ensino doméstico oferece às crianças e jovens o espaço que tanto necessitam para crescer, um espaço relativamente livre da constante pressão de grupo típica da “socialização” escolar. Digo relativamente livre porque essa pressão não existe apenas nas escolas; ela permeia a sociedade em que vivemos, e as famílias que optam pela educação em família, ao contrário do que muitos possam pensar, são parte integral dessa sociedade.



Viver a diferença é essencial não só para o bem estar do indivíduo como também para o da sociedade. Assim como a nossa saúde depende do bom funcionamento de todas as partes - se eu tiver um problema nos rins toda eu me sinto mal -, o estado da sociedade em que vivemos depende do estado de cada um de nós. E em que triste estado estaríamos se não tivéssemos a liberdade de ser quem somos! Viver a diferença torna-se, assim, um dever.

Porque tal como a biodiversidade é uma das maiores riquezas do planeta e a melhor medida da saúde dos sistemas biológicos, a maior riqueza da humanidade é a nossa unicidade. Viver o igual seria então não só cometer uma espécie de suicídio psicológico, emocional e espiritual como também contribuir para a propagação da normose, essa patologia da normalidade que está encaminhando a humanidade à sua auto destruição e à destruição do planeta.

Voltando então à questão inicial, como é que nós vivemos a diferença? O meu filho vive-a como se fosse a coisa mais natural do mundo. Está bem consigo e sente-se bem na sua pele. O ensino doméstico proporciona-lhe o tempo necessário para se conhecer a si próprio, para se "aprender" a si mesmo, e uma atmosfera de aceitação em que pode expressar todas as facetas do seu ser, ou melhor, do seu "sendo" em constante transformação.

Quanto a mim, eu vivo a diferença com gratidão, apreciação e um certo sentido de responsibilidade universal, de ser a mudança que quero ver no mundo, como dizia Gandhi. Vivo-a consciente da inter-dependência de tudo e todos, e de que a sociedade somos nós pois somos nós que a co-criamos. Vivo-a também consciente da importância da "edu-diversidade" e da liberdade de educação para a sustentabilidade da humanidade.

Estou cada vez mais convencida de que, assim como todas as monoculturas acabam produzindo enormes desiquilíbrios ambientais, a escolarização das mentes através de um currículo global será um verdadeiro desastre para a humanidade. Talvez seja por isso que o ensino doméstico está incluido na flôr da permacultura...

LINKS
XII carnaval de blogs EeF
XII edición Carnaval de blogs Educando en Familia: vivir la diferencia

2 comentários:

Marise von disse...

Parabéns pelo post!
O importante é cada um ser ele mesmo e nas diferenças que nos completam.
se fossemos todos iguais seriamos robôs... tem muita gente que quer ser igual.
Abraços,
Marise.

Paula disse...

Obrigada Marise. Um abraço.