Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Diversidade religiosa no ensino domiciliar

As famílias que optam pela educação em casa seguem diferentes religiões. Apesar das suas crenças serem muito diferentes, estão dispostas a trabalhar juntas para defender o direito à educação domiciliar sem restrições por parte do Governo ou funcionários das autarquias locais.


3 famílias, 3 religiões

Tânia, uma mãe judia de Somerset, Inglaterra

A minha filha Eialh tem 10 anos e frequentou uma escola pública da Igreja Anglicana durante 2 anos. Geralmente, nas áreas rurais, não temos outra opção senão ir para a escola mais próxima. Participar em festivais e reuniões de família é muito importante para nós. Os feriados judaicos caem invariavelmente durante o horário escolar. Embora não tivéssemos tido quaisquer problemas em obter permissão para faltar à escola por motivos religiosos, eu sentia que a ênfase no cristianismo, particularmente durante a época da Páscoa e do Natal, estava destruindo o sentido da religião judaica da minha filha. Havia um monte de actividades relacionadas com o cristianismo e como ela não tinha a oportunidade de participar activamente na comunidade judaica eu sentia que essas actividades estavam se tornando as "memórias de infância" dela.

Agora com a educação em casa temos muito mais tempo para investigar questões da história, cultura, língua e até da alimentação judaica. Antes, tentar encaixar todas essas coisas no fim de semana e conciliá-las com a escola (e as 2 horas de viagem por dia) era muito estressante.

Como a escola era pequena e rural, havia apenas uma outra criança que seguia uma religião diferente e não havia crianças de outras raças que não a branca. A minha filha pediu para ser retirada das aulas de religião e das assembleias: não se sentia à vontade por ser "diferente". Agora que não está na escola temos tempo para ir até à cidade mais próxima participar nas actividades judaicas e frequentar a escola dominical. Além disso, ela também está a fazer um curso de hebraico on-line.

O nosso grupo de educação domiciliar tem algumas crianças negras e de raça mista mas infelizmente nenhuma criança muçulmana. Mesmo assim, o ensino doméstico dá-nos mais acesso à diversidade cultural. Os pais de outras crianças mencionam razões semelhantes por trás da educação em casa, embora concordem comigo que a religião e a raça não são as únicas razões que nos levaram a considerar o ensino domiciliar.

Links
League of Observant Jewish Homeschoolers
Kosherhomeschool
Chinuch at home
A Jewish Vegetarian Homeschool


S Gething, um cristão de Hampshire

Ao longo dos anos ajustámos o nosso horário várias vezes. Esforçamo-nos constantemente por encontrar o método de aprendizagem mais produtivo e usamos uma abordagem tradicional em relação ao ensino. O nosso dia começa às 8:00 hrs com um período de oração, memorização e leitura da Bíblia. Esta é a parte mais importante, recordar o nosso Criador e as bênçãos que temos. Todas as semanas as crianças aprendem um verso novo e o nosso filho de 3 anos já se vai juntando a nós.

Segue-se meia hora de francês. Eles concentram-se melhor se as aulas forem relativamente curtas, por isso cada lição é de meia hora, excepto a de matemática, que dura 1 hora. Depois vem a prática musical - piano ou flauta - e havemos de aprender violino no futuro. Achamos que alternar aulas que desafiam a mente com aulas mais práticas traz um certo equilíbrio e prazer ao dia. A seguir vem a matemática, com exercícios diários e aprendizagem de princípios fundamentais.

As crianças estão trabalhando a um nível 1-2 anos acima da sua idade, usando um currículo americano que seguem praticamente sozinhas. Isso dá-me tempo para prestar mais atenção ao mais novinho. Se terminarem a lição a horas, então têm tempo para a leitura, arte ou exercício.

Depois da matemática fazemos exercícios físicos, geralmente dança irlandêsa, excepto às terças-feiras. A manhã de trabalho acaba com inglês e depois 10 minutos de chinês (que a nossa filha está tentando aprender sozinha usando um livro e dois sites na internet) e latim para o nosso filho de 8 anos de idade. Agora estamos prontos para uma bem merecida pausa de 2 horas para o almoço.

A tarde começa com ciências. Depois fazemos mais trabalhos de inglês: escrita criativa, ortografia, poesia, jogos de palavras e assim por diante. Continuamos com história e geografia; neste momento estamos investigando a África. Segue-se arte ou teoria da música / canto e terminamos o dia com leitura. As crianças têm alguma escolha sobre o que lêem mas fazemos com que elas cubram uma ampla seleção de tópicos e autores modernos e clássicos.

Como eu também fui educada em casa, faço questão de proporcionar aos meus filhos oportunidades de conviverem com os amigos e fazerem excursões. Espero que esta descrição ajude a dissipar alguns dos mitos à volta das crianças educadas em casa e a demonstrar a flexibilidade e eficácia da educação orientada pelos pais e centrada na excelência acadêmica, no desenvolvimento social e em princípios cristãos.

Links
Christian Home Education
TEACH (The European Academy for Christian Homeschooling)
Homeschool Christian
Christian Homeschooling


Imran Shah, um muçulmano de East Sussex

Por que é que eu educo os meus filhos em casa? Se me tivessem perguntado há 4 anos eu teria falado sobre os resultados superiores obtidos pelas crianças educadas em casa. Nos E.U.A., onde são obrigadas a fazer os exames nacionais, elas obtêm, em todas as disciplinas, uma média entre 20 a 30% mais alta que as crianças educadas na escola. Agora, com 2 filhos pequenos que nunca foram à creche nem ao jardim de infância, eu diria que a maior vantagem é vê-los tão felizes. Eles são incrivelmente felizes e passam os dias alegres, brincando na companhia de pessoas que eles amam e que lhes amam.

Os meus amigos dizem-me frequentemente que os filhos deles resistem à escola e que frequentemente não querem ir às aulas. Os nossos filhos não acordam cheios de ansiedade, sabendo que têm de ir para onde não querem ir, estar com pessoas com quem não querem estar e fazer coisas que não querem fazer. Não são apenas os nossos filhos que estão felizes; a minha esposa e eu também estamos felizes vendo que eles estão crescendo em alegria e liberdade. Quando estão felizes as crianças gostam de aprender e aprendem com muita facilidade.

Outra razão que nos leva a educar em casa é a socialização. O ambiente escolar não é conducente a um processo de socialização saudável. Se fosse, as interacções sociais no recreio seriam caracterizadas pela generosidade, humildade e respeito mútuo em vez da mesquinhez, agressividade e pressão do grupo típicas da interacção social escolar. Os meus filhos brincam com os filhos dos nossos amigos. Não há bullying na nossa comunidade. A segregação etária imposta pela escola não prepara os jovens para a interacção entre adultos. Em vez disso, a expectativa das escolas é que as crianças suportem o tipo de comportamento hostil que nenhum adulto suportaria.

Os nossos filhos não vivem num mundo dividido entre "nós" (as crianças) e “eles" (os professores). Vivem num meio em que a interacção social é saudável, numa comunidade multi-geracional que é típica da vida pós-escolar. O que eles não vêem são pessoas sendo intimidadas por serem diferentes, por causa da cor da sua pele, da sua religião ou por terem alguma deficiência. Na nossa esfera social todas as pessoas são valorizadas.

O Sagrado Alcorão ordena aos muçulmanos que não dêem instrução acadêmica aos filhos antes dos 7 anos. Avanços em neurologia já confirmaram a sabedoria deste édito. Os cérebros das crianças ainda não estão suficientemente desenvolvidos para serem capazes de lidar com o trabalho acadêmico sem correrem o risco de alguma forma de futuro atrofiamento. Embora não sigamos um estilo de educação domiciliar explicitamente religioso, há temas que são centrais ao islão, temas que são comuns a outras religiões. O mais importante é proporcionarmos um ambiente seguro, cheio de amor e carinho, em que os nossos filhos possam crescer e ir prosperando.

Links
Islamic Home Education
Muslim Home Education Network Australia
Mission Islam - Home Education
Muslims and Home Education
The Muslim Homeschool
Muslim Homeschooling Resources

Tradução livre. Original aqui.
Continua aqui.

4 comentários:

Isabel de Matos disse...

Gostei muito destes testemunhos, cada um toca em pontos diferentes e interessantes. O último então quase nem foca a questão religiosa e estou muito de acordo com essa família, o importante é vê-los crescer felizes!

Paula disse...

Eu acho este tema muito interessante e já andava há tempos a pensar publicar algo que demonstrasse a enorme diversidade religiosa no ensino doméstico, algo que dissipasse a ideia errada que às vezes as pessoas têm de que a educação domiciliar é coisa de fundamentalistas cristãos.

A opinião pública também é muito manipulada contra o islão e tende a não representar a quantidade enorme de famílias muçulmanas liberais, como a do último testemunho.

E claro, na comunidade de famílias que opta pelo ensino doméstico, também existem muitos pais que, apesar de terem uma prática religiosa ou espiritual, não a impõem aos filhos, preferindo que eles próprios escolham mais tarde se querem ou não seguir uma via espiritual.

Eu, claro, concordo contigo: o mais importante é vê-los crescer felizes!

Blue disse...

A Religião e a Fé deverão ser sempre demonstrações de Amor!

Seja qual for o caminho Dogmatico, o importante é vê-los crescer Felizes sim :)

Nós somos Pagãos e este método "é" a nossa forma de vida! e "é" tambem como se provam nos testemunhos em cima, o modo de vida de outras correntes religiosas, daí eu acreditar que qualquer Religião, se bem aplicada, levar-nos-á a todos, ao mesmo Fim de Caminhos Diferentes: ao Amor!

Bom Samhain :)
Blue

Paula disse...

Como diz o Dalai Lama:

"Cada pessoa tem a sua natureza e aspirações próprias e o que convém a uns não convém necessariamente aos outros. É essencial ter este ponto em mente quando julgamos outras religiões e vias espirituais. A sua diversidade corresponde à diversidade dos seres e, ainda que as religiões não sejam obrigatoriamente assim entendidas, o certo é que um grande número de seres encontraram nelas, e encontram ainda, um grande auxílio. Devemos ter isto em mente e tratar todas as religiões com o respeito que elas merecem. É muito importante."

Bom Samhain para vocês também!