Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sábado, 3 de outubro de 2009

Ensino doméstico na televisão inglesa

Cathy, uma mãe-educadora inglesa, foi entrevistada na semana passada pelo canal de notícias de Manchester. Deixo-vos aqui o vídeo e uma tradução livre, como sempre.



James: Como vêem, podíamos estar em qualquer sala de aulas. Temos livros nas prateleiras, posters nas paredes, brinquedos para brincar, etc. Mas não estamos numa escola primária. Estamos numa garagem que foi convertida neste espaço que Cathy agora utiliza para educar os filhos em casa. Cathy, o que te fez optar pelo ensino doméstico?

Cathy: Bem, eu não estava nada satisfeita com as escolas aqui da zona. Na altura em que os meus filhos estavam a atingir a idade escolar várias amigas minhas já tinham retirado os filhos devido aos problemas que existem nessas escolas. Por isso tive de pensar noutras alternativas e uma delas foi a educação domiciliar.

James: O governo está neste momento a rever a sua posição em relação ao ensino doméstico, dizendo que algumas crianças podem não estar recebendo a educação que precisam em casa. O que dirias sobre isso?

Cathy: Acho que é uma pena que tantas crianças acabam por ser educadas em casa precisamente por não estarem recebendo a educação que precisam nas escolas. Não vejo razões para alterar a lei sobre o ensino doméstico. É uma modalidade que tem tido muito sucesso e esse sucesso tem sido confirmado por várias pesquisas.

James: E que dirias em relação ao criticismo de que crianças como os teus filhos podem estar perdendo as oportunidades que teriam se estivessem sendo educadas no ambiente escolar?

Cathy: Acho que têm muito mais oportunidades fora da escola porque podem participar em mais actividades, expandir o currículo e seguir os seus interesses. Além disso, podem receber apoio a nível individual e a total atenção de um adulto, o que na escola seria impossível.

James: Cathy, muito obrigada. Existem pelo menos 50 000 crianças / jovens educados em casa. O governo não tem planos de remover o direito que os pais têm de educar os filhos mas quer assegurar que as crianças que não frequentam a escola recebem a educação que precisam.

3 comentários:

*Lisa_B* disse...

Amiga,
ao ler todos estes depoimentos de todo o Mundo ou praticamente acho que Portugal fica novamente na cauda já que vetam à partida a lei existente do ensino doméstico mesmo com factos e regulamentos, legislação etc...basta que nos anulem o poder de pais e inventem qualquer desculpa do tipo : voce não dá o melhor que o seu filho precisa. Pronto...processo em cima e direito de ensino doméstico recusado com a agravante de ficarmos condicionados à tutela do nosso filho por parte de orgãos sociais como protecção de menores,ministério público e afins.
Portugal dá nojo e volto a repetir esta frase: Tenho vergonha de ser Portuguesa!!!
Beijinhos meus

Paula disse...

Lisa_B,

Não entendo como é podem ignorar a lei. Fizeste a transferência para o ensino doméstico tal como deve ser? Sei que em Portugal há um prazo para isso, que a partir de certa altura do ano lectivo já não é permitido (acho que só pode ser feita até ao fim do 2º período).

Aqui também tentam fazer dessas às vezes mas a maior parte dos pais que educa os filhos em casa sabe a lei na ponta da língua e não lhes dá muitas oportunidades para abusarem do poder que têm. Depende muito da região.

Há zonas em que o pessoal administrativo está a par da lei e das vantagens do ensino doméstico mas ainda há zonas em que contactam imediatamente os serviços sociais / protecção de menores, ignorantes da diferença entre a educação domiciliar e o absentismo escolar - já fiz um post sobre isso aqui.

Isto para te dizer que aqui também existem casos de abusos de poder, em que os "profissionais-bullies" unem forças contra a vítima - geralmente quando têm algo pesado na consciência.

Na semana passada veio no jornal o caso de uma funcionária de escola despedida por ter dito aos pais que a filha era vítima de violência escolar. O pessoal da escola uniu-se contra ela por ter dito a verdade e despediu-a usando o pretexto de quebra das regras de confidencialidade.

Depois veio-se a saber que um dos miúdos que agredia essa rapariga era o filho da directora da escola. Os pais uniram-se em defesa da empregada e foi uma vergonha.

Outro caso que apareceu nos jornais a semana passada foi o de uma professora suspensa por aterrorizar os alunos. Não são só os miúdos que são bullies - aliás, como o teu próprio caso demonstra, o bullying parece ser o modus operandi do sistema e impregnar a instituição escolar de cima a baixo (ver: instituição-bully).

*Lisa_B* disse...

Paula,
eu levei doc que a advogada que contratei para tal efeito me facilitou mas de nada adiantou, disseram que eu o queria esconder da sociedade e o "fosso" em que provavelmente estava se agravaria.
Acredita que o que o perturba e aterroriza são eles os da protecção de menores, os tribunais os que o têm perseguido até hoje.
Ele evoluiu na musica :-) no campo onde aprende comigo a cultivar e todo o resto no meio da natureza com os seus gatos que também lhe ensinaram muito e ajudaram neste processo dificil de doenças e depressão-suicida.
Hoje está muito mais solto e só lamento que ele vá regredir logo que saiba que o tribunal está em cima de nós novamente.
Toda a minha familia foi ligada à justiça quer em magistrados quer advogados. Se vissem isto que fazem com o meu filho e ocntra as leis em vigor tinham um colapso cardiaco.
Bem amiga, eu estou ciente dos nossos direitos mas aqui ainda vigora a "pide" só mudaram os nomes dos que a formam.
Ainda me prendem antes do tempo lol.
Os meus vizinhos estão revoltados e ando aos poucos a informa-los de tudo isto para que eu precisando eles se revoltem comigo e chamemos depois as televisões após as demarches todas que ainda se seguirão pela frente desde o meu pedido de revisão de tudo isto e queixa ao provedor de justiça.
Estou a ter muita paciencia só para proteger o B de mais sofrimento que ele nao compreendenem aceita tudo isto.
Ele ha dias queria rasgar todos os documentos de nascimento de identidade para ser livre. Chocante ? Pois é...
É preciosa a tua ajuda de força ai desse lado porque vou reunindo aqui materias sobre todo este ensino para ver se me dão hipoteses algum dia de lhes mostrar os erros que cometem.
Beijinhos obrigada.