Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sábado, 14 de novembro de 2009

Preservando o prazer de aprender...

Os argumentos a favor do ensino domiciliar III

Os argumentos das crianças e jovens educados em casa:

Aprender em casa é agradável


Kerrin, 17 anos, de Hampshire
A infância que recebi foi uma oferta inapreciável de meus pais; é um período que nunca mais viverei. Lembro-me dessa época como um tempo despreocupado, em que tive a liberdade de descobrir a vida ao meu próprio ritmo. Infelizmente, na nossa sociedade, muitas crianças nunca experienciam uma verdadeira infância e nem sabem o que é brincar...

George, 7 anos, de Hampshire
A coisa mais agradável é que aprendemos muitas coisas e aprendemos matemática fazendo coisas. E não temos que parar durante as férias de Verão! Ser educado em casa é muito mais divertido: podemos ir de férias na época mais calma quando os museus e espaços abertos não estão cheios de gente.

Arthur, 8 anos, Hampshire
Eu gosto de ser educado em casa porque posso aprender de uma maneira divertida e, até certo ponto, escolher o que quero aprender. Também desperdiçamos muito menos tempo e podemos cuidar do jardim, cozinhar e aprender no mundo real. Podemos fazer montes de coisas que os miúdos da escola não podem fazer, especialmente à noite, porque não nos temos de levantar tão cedo como eles.

Daisy, 12 anos, de Suffolk
Eu gosto da educação em casa porque não existem limites nem fronteiras. É agradável e divertida porque não tenho que esperar para fazer os projectos que quero fazer. Acabei agora de fazer um curso profissional de Revisão de Textos. Demorei 9 meses a completá-lo, trabalhando ao meu próprio ritmo, e obtive um diploma para o meu futuro. Se toda a gente frequentasse a escola e aprendesse as mesmas coisas o mundo seria um lugar muito chato.

Continua aqui.

Sem comentários: