Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sábado, 5 de dezembro de 2009

Jovem empresário educado em casa

Vocação é algo que Louis Barnett certamente não tem falta. Louis, 16, teve muitas dificuldades durante os primeiros anos na escola devido à dislexia e dispraxia não-diagnosticadas - distúrbios associados a problemas de percepção, linguagem e pensamento. Em desespero, sua mãe Maria tirou-o da escola tinha ele 11 anos:

"As coisas teriam piorado se o tivesse lá deixado, ele andava incrivelmente frustrado."


Como muitas crianças que abandonam o sistema escolar para serem educadas em casa, Louis atravessou um período de ajustamento e, sendo-lhe permitido seguir os seus interesses, depressa descobriu um talento para fazer chocolates belgas. Ambição e um toque de sorte resultaram no grande momento, quando obteve um contrato com o supermercado Waitrose para as suas caixas de chocolate comestíveis.

Desde então já teve uma audiência pessoal com o primeiro-ministro Gordon Brown e dirigiu-se a uma audiência de 3000 pessoas no Lyceum em Londres sobre um tema muito importante para ele - o uso de óleo de palma em chocolate. De Setembro de 2007 a Fevereiro de 2008 a sua empresa Chokolit girou mais de £150.000 e é um sucesso tão grande que os pais e o seu ex-tutor abandonaram os empregos para trabalhar para ele.

Agora já está preparado para o mercado internacional com o lançamento da barra de chocolate Biting Back, que destaca a causa do orangotango em Bornéu, cujo habitat está sendo devastado pela demanda de óleo de palma.

Louis, como seria de prever, não vê a falta de qualificações como obstáculo ao sucesso:

"Temos de agarrar as oportunidades quando elas surgem. Eu fiz um bolo para o aniversário da minha tia e os amigos dela ficaram tão impressionados que me pediram para fazer bolos para eles. Quando vi os primeiros £20 percebi que podia fazer isso todos os dias. Mas temos que estar preparados para trabalhar. Quando saí da escola, comecei a fazer trabalho voluntário com um falcoeiro. Ele disse-me "só tens 12 anos, tens que provar o teu valor se quiseres trabalhar aqui". Deu-me os piores empregos mas eu persisti e passado uns tempos comecei a percorrer o país fazendo exposições. Essa experiência ensinou-me que temos que trabalhar a sério para conseguirmos o que queremos."


A essência da filosofia da família Barnett é a ideia de que os jovens devem seguir os seus interesses e talentos. Para o jovem empresário, a vida está cheia de oportunidades:

‘Se não encaixas no sistema, procura uma alternativa. A vida académica não é para todos e podemos descobrir os nossos potenciais mais cedo ou mais tarde.’

6 comentários:

*Lisa_B* disse...

Excelente! Desejo todo o sucesso do Mundo para ele e que seja um exemplo para outros.
Beijinhos

Paula disse...

O poder da motivação intrínseca é realmente incrivel, e a única coisa que os jovens precisam é o espaço para descobrirem essa motivação e o tempo necessário para transformarem os seus sonhos em realidade.

Infelizmente, a poucos é dada essa liberdade; e os adultos, a grande maioria em completa negação do mal que impõem às crianças, ainda se admiram dos métodos que elas usam para lidar com a intensidade do seu sofrimento (depressão, ansiedade, etc): álcool, drogas, suicídio, enfim, quem tem olhos para ver que veja...

Ariany (Dhanna) disse...

Que belo exemplo!

Esse garoto serve como motivação para os pais que ainda tem alguma dúvida sobre a educação em casa.

Ele, com apenas 12 anos, teve a oportunidade de trabalhar?

Aqui, no Brasil, os pais seriam indiciados pelo juizado da infância e juventude, por trabalho de menor! Ai ai...

Paula disse...

Casos como este seriam comuns se deixássemos de interferir no desenvolvimento natural das crianças e jovens e lhes déssemos a liberdade para aprenderem o que querem realmente aprender.

Já existem vários estudos sobre o prolongamento artificial da adolescência e a resultante infantilização da sociedade.

O trabalho de Dr. Robert Epstein é bem interessante: ele lembra-nos que "a adolescência, tal como a conhecemos hoje, é uma invenção industrial" e explica como o conceito surgiu, no ocidente, em 1904.

Se não separássemos os jovens do mundo dos adultos e lhes déssemos a liberdade de ir àvante com os seus projectos depressa nos aperceberíamos que eles estão aqui para nos ensinar.

Lysalys disse...

Un bel exemple plein d'espoir.
Merci également pour tous ces liens issus de nombreux pays.
Je découvre votre blog sans certitude d'être comprise. Personnellement je ne parle pas portugais et j'ai heureusement pu comprendre votre blog grâce au traducteur en ligne. : )

Paula disse...

Lysalys,

Obrigada pela visita e por teres deixado um comentário. Estes gadgets que fazem traduções automáticas são realmente muito úteis!