Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Ataque ao ensino domiciliar em New Hampshire

Home educators nos E.U.A. protestaram ontem contra as propostas do governo que fariam de New Hampshire o pior Estado para a prática do ensino domiciliar. O vídeo mostra uma fascinante mistura de pessoas com as mais diversas perspectivas politicas, sociais e religiosas reunidas para fazer uma frente unida contra os seus supostos representativos.



1. Estou aqui hoje para manifestar-me contra esta proposta que, se for implementada, vai transformar N.H. no Estado em que o ensino doméstico é mais regulamentado.

2. Eu sou Denise, de Strafford, e estou aqui para dar o meu apoio ao ensino doméstico porque o governo não tem nada que se meter na educação domiciliar. É isto que está em causa neste "país da liberdade". O ensino doméstico não precisa ser regulamentado e esse direito não deveria ser retirado aos pais. Esta lei vai restringir severamente o ensino domiciliar e impor mais regulamentações legais à educação em casa. Não é necessária, não precisamos dela, o ensino doméstico funciona, os homeschoolers estão a sair-se muitíssimo bem em todo o lado, não precisamos disto para nada.

3. As crianças com necessidades especiais é que vão sofrer com isto mais que ninguém; os miúdos que não tiverem bons resultados nos testes não vão ter chances nenhumas! E tirar o controlo das mãos dos pais, dizer-lhes "isto é o que vocês têm que ensinar, isto é quando têm que ensinar", isso é fazer "escola em casa" [transformar o lar numa escola em miniatura], em vez de ajudar os miúdos que precisam de ajuda e que não deveriam frequentar as escolas públicas.

4. O meu nome é Laurie (...) Acho que é absolutamente imperativo que as crianças e jovens tenham o direito de aprender e viver em liberdade. Ninguém pode ensinar o meu filho melhor do que eu; além disso, é anticonstitucional o Estado controlar a educação dos meus filhos. Quem melhor conhece o meu filho sou eu, quem sabe quais são as suas necessidades sou eu. O meu filho está a escrever 2 livros, aliás, já acabou de escrever o primeiro, e tem o seu negócio desde os 12 anos anos (tem agora os 16). É um activista, músico, canta no coro juvenil de N.H. e protege os direitos dos menores. Ele não poderia fazer tudo que faz se estivesse encurralado numa sala de aulas. A escola, como diz o poster ali daquela Sra., prejudicou o meu filho. Destruiu completamente o amor que tinha pela aprendizagem e foi preciso vários anos de "detox" antes dele recomeçar a escrever. O ensino doméstico tem constantemente demonstrado que produz estudantes excepcionais, de inteligência e criatividade excepcionais, enquanto que a escola pública demonstra continuamente que só os emburrece e faz com que os miúdos comecem a desprezar a aprendizagem. Sei porque trabalhei com escolas públicas, fazendo consultoria e assessoria pedagógica durante vários anos. Não só os professores são abusivos mas os alunos tornam-se abusivos uns com os outros nesse ambiente opressivo.

5. Eu pratico a educação em casa aqui em N.H. há 23 anos e durante estas 2 últimas décadas o movimento do ensino domiciliar funcionou muito bem sob as leis que temos. As opções no final do ano, enviar um relatório, o portfólio, fazer testes padronizados ou um outro método de avaliação do ano, concordado mutuamente, com a pessoa com quem decidimos lidar... se esta proposta for implementada o Estado vai passar a controlar o que fazemos no final do ano e exigir um portfólio e exames padronizados. O funcionamento do ensino doméstico pode vir a mudar, tudo por causa destas familias, imaginárias e não substanciadas, que estão supostamente a ficar para trás, colocando um enorme fardo nos ombros daqueles que fazem um bom trabalho. É legislar demais e é contra isto que lutamos.

Ler mais aqui. UPDATE: A proposta foi rejeitada com 324 votos contra (34 a favor das) alterações da lei actual. Mais uma victória para a educação em casa!

Sem comentários: