Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A Terceira Vaga na Educação: Pensar o impensável

Questionar o estado actual da Educação

A escola deve ser um lugar onde as crianças vão porque querem ir? Sim.
A escola deve ser um lugar onde as crianças só vão se quiserem ir? Sim.

Este artigo questiona o modo actual de educar os nossos filhos, não do ponto de vista escolar mas a partir de estudos sobre as famílias que optam por não usar o sistema estabelecido pelo governo e seus filhos, crianças educadas fora da escola.

Tempo de Mudança

Há muitas pessoas importantes questionando o sistema de ensino e dizendo que este tem que mudar. Don Foster, membro do parlamento britânico, diz-nos que:

"À medida que nos aproximamos do próximo milênio, o maior desafio à nossa frente é o de desenvolver um sistema de educação do berço ao túmulo e realmente inclusivo, onde o acesso à aprendizagem esteja disponível a todos independentemente da idade que possam ter. Não devemos fazer as mesmas coisas de uma maneira melhor, mas devemos fazê-las de uma maneira totalmente diferente." (Foster, 1998)

E Tom Bentley, membro de DEMOS, um think-tank independente, e conselheiro de David Blunkett, Secretário de Estado da Educação e do Emprego:

"Essa aprendizagem não terá lugar apenas dentro de escolas e faculdades mas nas comunidades, locais de trabalho, e em família. Isto requer uma mudança na nossa maneira de pensar sobre a unidade educacional - da escola, uma instituição onde a aprendizagem é organizada, definida e contida, para o "aprendente", um agente inteligente com potencial para aprender com todos os encontros com o mundo ao seu redor. Sem essa mudança, o sistema de ensino não será capaz de fazer face às demandas do século XXI."

Podem ler o estudo de Paula Rothermel na íntegra, em inglês, aqui.

2 comentários:

Isabel de Matos disse...

Fiquei muito contente com o conteúdo deste post!
Obrigado pelas tuas traduções, Paula emuitos beijinhos.
Isabel

Paula disse...

De nada, o prazer é meu!