Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Unschooling: para pessoas como eu?

Kate Fridkis, ao comentar este artigo sobre o homeschooling publicado recentemente no The New York Times Style Magazine, partilha as suas memórias dos seus dias de unschooling:

Até hoje (tenho 24 anos), as pessoas ainda me perguntam como eram passados os meus dias de unschooling. O que é que eu fazia? Como é que aprendia? E a verdade é que eu não tenho a certeza. Porque os dias quase nunca eram iguais. Tive alguns livros didáticos ao longo do percurso. Talvez dois. A ideia era que todas as semanas eu completasse certa quantidade de "aulas" contidas nesses livros. E, quando me lembrava, completava uma série delas às sextas-feiras. Lembro-me de ler o tempo todo. E de escrever constantemente. Lembro-me de pintura e de tocar música. E de fazer essas coisas porque me davam prazer.

Adorava aprender de tal maneira que às vezes acho que as pessoas esqueceram-se de que as crianças e os jovens podem gostar de aprender. Porque essas actividades não eram escola, nem trabalho, nem trabalhos de casa, nem exigências. Eram parte de mim. E quando gostamos de algo o suficiente para estarmos sempre a fazê-lo, isso leva sempre a outras coisas, e tornamo-nos muito bons nisso. Soa tão simples! E as pessoas parecem querer uma resposta mais complexa. Querem saber quem eram os meus professores, que tipo de educação a minha mãe tinha. Nenhum dos meus pais frequentou a universidade. Em vez disso, os dois começaram um negócio quando eram adolescentes.

Os meus pais são muito, muito inteligentes. São muito bons em estabelecer contactos. Ambos são criativos. Mas mais importante, em termos da minha educação, foi que ambos foram capazes de concordar que eu ia sair-me bem, mesmo que nunca me sentasse numa sala de aulas. Eles acreditavam que as crianças aprendem constantemente desde que sejam incentivadas.

Continua aqui.

2 comentários:

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Sim, ser inventivo é fundamental!

Paula disse...

E esse teu queijo de cabra com óregãos e azeitonas tem um aspecto delicioso!