Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 31 de agosto de 2010

O lar ou a escola?

Clicar na imagem para aumentar de tamanho

domingo, 29 de agosto de 2010

Casa e Escola


Malik, 15, e Kadeem, 12, nunca foram ensinados numa sala de aula que não estivesse debaixo do seu próprio telhado. Ambos aprendem em casa - estão no ensino doméstico, segundo a terminologia actual.

"Quando eles eram pequenos, e nós dois a trabalhar e eles na creche, estavam sempre a adoecer", diz Angela, a mãe - e professora. "Quando chegou o dia em que já não podia me ausentar do trabalho, decidi ficar com eles em casa e comecei a ensiná-los a leitura e a matemática. Foi assim que começámos... e acabámos continuando. Este foi um desejo que Deus nos deu."

Além disso, toda a família está envolvida: "E eu sou o director", diz o pai, brincando.

Continua aqui.

sábado, 28 de agosto de 2010

Crianças decidem o que aprender

Trecho de um artigo publicado ontem num jornal canadense. Fotos aqui: 'Unschooled' kids direct their own education

A casa de Judy é o sonho das crianças. A cave está cheia de peças de Lego. Um canto da sala está cheio de animais de estimação: celas com cobaias, gerbils, dois pássaros e um periquito. Nove computadores em rede estão disponíveis em zonas diferentes para as crianças fazerem suas pesquisas na internet, escreverem ou jogarem jogos. Pendurados nas paredes dos corredores vemos uma série de pósteres explicando os átomos, a fotossíntese, a geografia do mundo e a história.

Numa recente tarde de Verão encontrámos os 5 filhos, entre os 8 e os 19 anos, a ler e a brincar. A casa é o lugar onde dormem, comem, brincam e vão à escola. Ou melhor, à não-escola.

Fazem parte de um segmento pequeno, mas cada vez maior, do movimento do ensino doméstico, que abandona o currículo nacional a favor de um curso de estudo escolhido pelos filhos que vai ao encontro dos seus interesses. Judy deixa os filhos decidirem o que querem aprender e quando querem aprender. O seu papel é agir como facilitadora para ajudá-los a obter a informação ou os materiais e equipamento que necessitam - desde levá-los à biblioteca ou às compras - para apoiar a aprendizagem sobre, digamos, Shakespeare, música ou a Segunda Guerra Mundial.

"É confiar que as crianças tem a capacidade de aprender aquilo que precisam saber, agora e no futuro", disse Judy.


sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Unschooling: para pessoas como eu?

Kate Fridkis, ao comentar este artigo sobre o homeschooling publicado recentemente no The New York Times Style Magazine, partilha as suas memórias dos seus dias de unschooling:

Até hoje (tenho 24 anos), as pessoas ainda me perguntam como eram passados os meus dias de unschooling. O que é que eu fazia? Como é que aprendia? E a verdade é que eu não tenho a certeza. Porque os dias quase nunca eram iguais. Tive alguns livros didáticos ao longo do percurso. Talvez dois. A ideia era que todas as semanas eu completasse certa quantidade de "aulas" contidas nesses livros. E, quando me lembrava, completava uma série delas às sextas-feiras. Lembro-me de ler o tempo todo. E de escrever constantemente. Lembro-me de pintura e de tocar música. E de fazer essas coisas porque me davam prazer.

Adorava aprender de tal maneira que às vezes acho que as pessoas esqueceram-se de que as crianças e os jovens podem gostar de aprender. Porque essas actividades não eram escola, nem trabalho, nem trabalhos de casa, nem exigências. Eram parte de mim. E quando gostamos de algo o suficiente para estarmos sempre a fazê-lo, isso leva sempre a outras coisas, e tornamo-nos muito bons nisso. Soa tão simples! E as pessoas parecem querer uma resposta mais complexa. Querem saber quem eram os meus professores, que tipo de educação a minha mãe tinha. Nenhum dos meus pais frequentou a universidade. Em vez disso, os dois começaram um negócio quando eram adolescentes.

Os meus pais são muito, muito inteligentes. São muito bons em estabelecer contactos. Ambos são criativos. Mas mais importante, em termos da minha educação, foi que ambos foram capazes de concordar que eu ia sair-me bem, mesmo que nunca me sentasse numa sala de aulas. Eles acreditavam que as crianças aprendem constantemente desde que sejam incentivadas.

Continua aqui.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Vídeo: A Escola em Casa no Equador

Mais um vídeo: ontem foi sobre l'école à la maison, hoje sobre a escuela en casa.



Encontrei também este artigo:

Equador: os primeiros casos de "Educación en Casa"

Uma casa que também é escola e pais que se tornaram professores de matemática, línguas, ciências naturais e ciências sociais. Esta é a experiência das primeiras 4 famílias a implementar oficialmente a modalidade "Educación en Casa" no Equador, em vigor desde Outubro do ano passado.

A família Quiñones foi uma das primeiras a optar oficialmente por este sistema de ensino. Este sistema, em que os pais decidem educar os seus filhos em casa em vez de enviá-los para a escola, não é novo nos Estados Unidos e na União Europeia, mas em países latino-americanos como o Equador só agora é que está começando a ser conhecido pelo público em geral.

Continua aqui.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Reportagem: l'école à la maison

Paolina, uma menina de 7 anos cheia de talento, segue um método especial de ensino totalmente adaptado ao seu modo de funcionamento intelectual: a escola em casa e em todo o mundo.



Como podem verificar, o ensino doméstico (PT) ou educação domiciliar (BR) (homeschooling nos EUA, home education no Reino Unido) é uma abordagem educacional cada vez mais aceite, e suas inúmeras vantagens estão começando a ser reconhecidas pelo público em geral.

Faz-me lembrar as palavras do filósofo alemão Arthur Schopenhauer: "A verdade tem 3 estágios: primeiro ela é ridicularizada, depois contestada, e finalmente, aceita."

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Homeschooling em perigo na Rússia

O governo russo propôs uma nova lei sobre a educação cuja aprovação oficial está prevista para o final de 2010. Embora o homeschooling seja actualmente legal na Federação da Rússia, esta proposta de lei eliminaria a educação em casa como opção legal para as famílias.

Os homeschoolers russos prepararam cartas que foram enviadas ao presidente da Rússia, ao Ministério da Educação, ao Parlamento russo e à Câmara Pública da Rússia. Agora estão pedindo ajuda aos homeschoolers e defensores dos direitos da família de todo o mundo.

Medidas solicitadas

Pedem que as famílias apoiem activamente os direitos das famílias russas, expressando suas opiniões sobre as alterações propostas pela lei aos representantes oficiais da Rússia nos vossos países.

Escrevam por favor um e-mail ou carta para às autoridades russas. Considerem incluir o seguinte:

1. Descrever a maneira como o homeschooling beneficia a vossa família e os vossos filhos.
2. Declarar que as famílias devem ter o direito humano fundamental de tomar decisões sobre a educação dos seus filhos. Transmitir o vosso desejo de que a educação em casa continue a ser uma opção legal na Rússia.
3. Explicar que o homeschooling produz crianças bem-ajustadas academica e socialmente que se tornam cidadãos produtivos. Descrever o sucesso dos vossos filhos.

As petições deverão ser enviados à Embaixada da Federação da Rússia, onde serão encaminhadas ao governo russo através do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Mais aqui.


Embaixada da Federação da Rússia em Portugal
A morada da Secção Consular:
Rua Visconde de Santarém, 57, 1000-286 Lisboa
Telefone: 21-846 44 76 Fax: 21-847 93 27
Contactos aqui.

Embaixada da Federação da Rússia no Brasil
Avenida das Nações, SES
Q.801, Lote A, Brasilia-DF
e-mail: embaixada.russia@gmail.com
Telefone:(55 61) 3223 30 94, 3223 40 94
Fax: (55 61) 3226 73 19

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A solução que dá resultado

Trechos de dois artigos publicados ontem sobre o ensino doméstico:

Entrar para as melhores universidades é o sonho de muitos estudantes.

Quando Anna, Pritt e Jacob foram admitidos na Universidade de Harvard, foi motivo de grande festa na Escola de mamãe e papai.

Christine e Mark assumiram a responsabilidade pela educação dos filhos quando Anna estava na quarta série e Jacob na segunda, e continuam educando os outros quatro filhos, que estão na faixa etária 11-17.

Christine disse que optou pelo homeschooling quando o filho Jacob terminou a primeira série. Com a experiência de Anna no jardim de infância apercebeu-se que a maior parte do tempo era passado na aprendizagem do alfabeto e outras coisas básicas. Como Jacob sabia ler antes de entrar para o jardim de infância, ela decidiu educá-lo em casa para ele não ficar aborrecido. Mas esse primeiro ano de aprendizagem em casa colocou-o muito mais adiante das crianças da primeira série.

"E os professores eram excelentes - esta decisão não teve nada a ver com a qualidade dos professores. Mas o sistema tem pouca flexibilidade, e o tamanho das turmas impossibilitava que as crianças recebessem atenção individual."

Continua aqui.

Não digam a Sawyer que o latim é uma língua morta.

O estudante educado em casa, de 14 anos de idade, é um entusiasmado leitor de textos antigos, ansioso por mostrar como eles são úteis na vida quotidiana.

"Mesmo nesta conversa que estamos agora a ter, a maioria das palavras que estamos usando vêm do grego e do latim", disse ele.

"Além do facto de nos ajudar a aprender outros idiomas, incluindo o inglês, são especialmente úteis na resolução de problemas", disse Rowan, outro adolescente educado fora da escola. "E a leitura sobre a história de Roma, seus costumes e política, quando a comparamos com os eventos actuais, vemos que muitas vezes estes fazem mais sentido."

Retirado deste artigo.

domingo, 22 de agosto de 2010

sábado, 21 de agosto de 2010

Freechild, unschooling & deschooling

O Projecto Freechild define o unschooling como um processo de aprendizagem ao longo da vida, sem salas de aula formais ou institucionalizadas nem trabalhos escolares. O seu efeito depende das relações interpessoais e da progressão natural da aprendizagem, em vez de livros didáticos e professores em salas de aula. A auto-educação é a prática libertadora de ensinarmos a nós próprios.

Freechild acredita que deschooling também é qualquer espécie de educação não formal e não institucionalizada. No entanto, este processo enfatiza deliberadamente a ausência de uma abordagem sistêmica na aprendizagem e nega a necessidade de escolas. Alguns homeschoolers usam o "processo" de deschooling como preparação para a aprendizagem em casa.

A tua vida, o teu tempo e o teu cérebro devem pertencer-te a ti, e não a uma instituição.
Grace Lwellyn, no Manual de Libertação dos Adolescentes

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Unschooling: o resultado

Com a aprendizagem autónoma, em liberdade, as crianças aprendem a tomar responsibilidade pelas suas vidas, aprendem que a sua vida lhes pertence, que são muito, mas muito mais do que meros recursos humanos forçados a se submeter a todo um processo de moldagem que as prepara apenas para encaixarem num sistema que não é o seu.

A vida é uma infinidade de possibilidades e o nosso papel é decidir o que queremos experienciar; e nós, claro, preferimos criar a nossa realidade!

Paula Peck

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Descobrindo a cidade

Hoje fomos até Easton onde, de acordo com o Censo de 2001, cerca de 35% da população é negra ou de origem asiática.

Dizem que é uma das áreas mais necessitadas no sudoeste da Inglaterra.

Contudo, é uma comunidade vibrante, com grupos de pressão, grupos musicais, grupos políticos, cooperativas de trabalhadores e algumas comunas anarquistas.

Tem também três mesquitas, uma sinagoga, um templo sikh e várias igrejas de diferentes denominações.

E é famosa pelos seus grafites, incluindo originais do "artista guerrilheiro" Banksy.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Fotos desta semana

Momentos musicais


num dia de retiro e meditação.


Caril de courgettes para o almoço


e outro passeio na natureza...


terça-feira, 17 de agosto de 2010

Tom Cruise faz o homeschooling

Aqui, Katie Holmes, casada com Tom Cruise, diz:

And we homeschool Suri—she has a teacher who is with her every day. We like the one-on-one education. I’m happy that my daughter is strong-willed and determined. You really have to go with what the child is wanting.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Livro: Aprendizado Livre

A aprendizagem ocorre em todo o lado. É constante. Este é o pedaço de sabedoria que guardo sempre comigo. Ele ajuda as crianças a ver que o mundo tem muito que ensinar, e que novos conhecimentos podem vir a qualquer momento em qualquer parte. Sendo um pouco mais isolados do que a maioria dos estudantes e professores, os homeschoolers também procuram a sabedoria, a inspiração, apoio e aconselhamento dos livros e online. Existem dezenas de livros sobre o assunto por aí . Alguns são livros do tipo "como fazer", outros são histórias sobre a experiência de determinada família.

Free Range Learning, por Laura Grace Weldon, é um novo livro sobre o homeschooling. O livro não é rigorosamente sobre "como fazer", nem é apenas sobre a experiência pessoal de alguém. É uma mistura dos dois, entrelaçando experiências reais da família sobre a aprendizagem dos filhos e listas de ideias de projetos e recursos. O livro contém também muita orientação e informação sobre como ensinar os nossos filhos, e até sobre estudos científicos sobre a forma como as pessoas aprendem. Sim, o livro é essencialmente para homeschoolers, mas se você é o tipo de pai que tenta ensinar os filhos durante a noite e os fins de semana, este livro tem tanto para oferecer, como teria para um pai que pratica o ensino domiciliar.

Visualizar aqui.

domingo, 15 de agosto de 2010

Educação em casa

Pensar em voltar à escola após as férias de Verão não incomoda os filhos de Connor - são educados em casa. Este artigo relata como a opção pelo ensino doméstico os tornou mais próximos.

A casa da família Connor em Darlington, Reino Unido, é um lugar de muita actividade. Dave Connor, empresário com cinco filhos, carinhosamente descreve o ambiente como frenético: "Ninguém se atreve a colocar a chaleira no fogo, porque há sete xícaras de chá a fazer."

Dave fala calmamente, com uma aura de serenidade que deve vir a calhar quando se tem de combinar o papel de professor e pai, enquanto ao mesmo tempo gerir o seu negócio de restauração de móveis.

Sua casa não é apenas um lar; tem sido também, nos últimos 19 anos, uma escola e uma oficina!

Podem ler o resto aqui.

sábado, 14 de agosto de 2010

Vídeo: Número de homeschoolers aumenta



A popularidade do homeschooling aumentou em todo o país e aqui em Chattanooga. NewsChannel 9 foi a casa de alunos educados em casa.

Na última década, o número de homeschoolers aumentou imenso, muito mais para além do dobro, de acordo com o Departamento de Educação. NewsChannel 9 procurou descobrir porquê.

Jeannette sentou-se com o seu filho Jacó , de 7 anos, ajudando-o a aprender algumas palavras de raiz latina. "E mikros?" Jacob responde, "Pequeno". A mãe continua: "Consegues pensar em alguma palavra que contém mikro?" Jacó responde: "microscópio".

Jacob é o quarto filho da família a ser educado em casa. "Acho que o melhor professor para os nossos filhos é a pessoa que melhor os conhece, e quem os conhece melhor do que os pais?" disse a mãe.

Podem ler o resto aqui.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Respostas a perguntas frequentes

Tradução de um trecho deste artigo de Sonja Corbitt publicado no Catholic Online:

Ao serem confrontados com o sucesso do homeschooling e o profundo privilégio de educar os próprios filhos, alguns pais ficam interessados na educação em casa. Mas o que isso significa no dia a dia? Como se faz o homeschooling? Aqui estão as respostas às perguntas mais frequentes sobre o ensino em casa:

E a socialização?
Uma vez que esta é sempre uma das primeiras perguntas que as pessoas fazem, esta é certamente a função mais importante da instituição-escola. Raramente perguntamos aos pais-homeschoolers como é que ensinam os filhos a ler, a resolver equações ou a usar o método científico, por isso, presumivelmente, confiamos na sua capacidade de transmitir essas importantes capacidades. Contudo, a resposta geral sobre a "socialização" pode ser encontrada aqui.

Por que você opta pelo ensino domiciliar?
A maioria opta pelo homeschooling porque já foi provado que
esta é a forma mais eficaz de educar os filhos.

No homeschooling, o nível de ensino não é inferior?
Duas décadas de evidência empírica demonstram precisamente o contrário. O sucesso dos alunos educados em casa é consistentemente superior ao dos alunos da mesma idade que frequentam a escola pública ou privada. A instrução individual é a forma mais eficaz de ensino. Mesmo se as escolas tivessem professores de grande capacidade, a verdade é que eles nunca poderiam proporcionar uma instrução individual com regularidade.

A afirmação que o homeschooling é melhor
não é elitista?
Se a afirmação que o espinafre é nutricionalmente superior a um Big Mac for elitista... Isso não significa que não se pode apreciar um Big Mac; significa apenas que não queremos torná-los o ingrediente principal da nossa dieta.

É legal?
Nos EUA, embora as leis e os regulamentos variem de estado para estado, o homeschooling é legal em todos os 50 estados.

Continua aqui.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Família experimenta o homeschooling

Aubyn nunca tinha planejado educar a filha em casa, mas quando os testes mostraram que a aluna da quinta série era dotada apesar das deficiências de aprendizagem, muitos dos problemas que ela tinha tornaram-se fáceis de compreender.

Taegyn tinha dificuldades com a escola. Sofria muitas vezes de dores de cabeça, cansaço e desânimo.

Depois de tentar resolver o problema mudando a filha para uma escola diferente, Aubyn atingiu o seu limite. Foi um comentário do pai que as encorajou a tentar o homeschooling.

"Ele estava brincando comigo e disse: 'Eras capaz de ensiná-la muito melhor do que a escola', diz Aubyn, "e foi isso que desencadeou todo este processo."

Aubyn tinha acabado de ser despedida do seu emprego a tempo parcial como coordenadora de actividades numa casa de repouso, por isso o momento estava certo. Então, quando as coisas não melhoraram na nova escola, os pais decidiram ensinar Taegyn em casa.

Não tinham experiência no ensino doméstico e tiveram de experimentar várias abordagens e estilos de currículo - Aubyn chama a sua abordagem de "eclética" - antes de encontrar a abordagem ideal para eles.

"O pesadelo acabou", diz Aubyn "e transformou-se numa experiência muito positiva e gratificante para todos nós. Taegyn está aprendendo muito bem, está mais feliz - toda a família está mais feliz por causa disso - e estamos aprendendo cada vez mais com cada dia que passa. Melhor ainda, as dores de cabeça acabaram."

Uma coisa que facilitou a transição da família foi o elo que estabeleceram com a comunidade de pais-educadores em Ottawa. Aprendendo com pais mais experientes, Aubyn descobriu uma maneira de personalizar o currículo para ir ao encontro das necessidades da filha. Por exemplo, Taegyn, que agora tem 13 anos, aprende matemática online, ciência e história com um grupo de crianças da sua idade em Stittsville, e literatura, geografia e projectos especiais com a mãe. Fazem parte de um grupo crescente de famílias que estão optando pela aprendizagem em casa em vez do sistema escolar tradicional.

Continua aqui.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O nosso Ning vai continuar!

Hoje trago boas notícias: o Alan Dubner pagou os custos da rede social do ensino doméstico, que agora está paga até Agosto 2011. Por isso, por favor, ignorem o grou.ps e ajudem a espalhar as boas novas!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Educação domiciliar continua a crescer

Tradução livre e parcial de um trecho deste artigo:

Lisa achava que os filhos não estavam sendo suficientemente desafiados nas escolas públicas e por isso decidiu tirá-los da escola e educá-los em casa.

"As minhas duas filhas mais velhas são extremamente talentosas e a terceira tem necessidades especiais", disse ela.

Isso foi há 12 anos. Agora é presidente de uma organização de 250 famílias que praticam o ensino domiciliar.

Na Carolina do Norte, EUA, o número de crianças educadas fora da escola tem vindo a aumentar desde que o ensino doméstico se tornou legal em 1985. De acordo com um recente relatório divulgado pelo Departamento de Administração o número passou de 381 crianças nesse ano a cerca de 43.316 hoje em dia.

Um número cada vez maior de pais escolhem a educação domiciliar porque acham que podem fazer um trabalho melhor do que as escolas públicas, em especial para as crianças superdotadas e com necessidades especiais, disse Spencer Martins, presidente da North Carolinians for Home Education, um grupo de apoio ao ensino domiciliar.

domingo, 8 de agosto de 2010

Livro: Uma Questão de Consciência


Uma Questão de Consciência: Educação como Uma Liberdade Fundamental examina questões relacionadas com a educação enquanto questão de consciência e as leis sobre a frequência escolar obrigatória e a regulação da educação em casa. Escrito por Kelly Green, escritora e activista do movimento do ensino domiciliar, o livro analisa a política do governo e a cobertura destes temas nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.

"Eu acho que este pode vir a ser um dos livros mais importantes sobre homeschooling nas últimas décadas." - Helen Hegener, Publisher da Revista Home Education.

sábado, 7 de agosto de 2010

Pais ou professores?


Em Richmond County muitos pais decidiram que a melhor coisa para os seus filhos não é necessariamente andar na escola com o resto das crianças.

Para Gail Yanone, a decisão de educar os filhos em casa surgiu do seu envolvimento em suas vidas acadêmicas e de uma situação negativa com a escola. Os quatro filhos já completaram o ensino médio e têm vidas produtivas.

No ano passado, o número de crianças educadas em casa aumentou cerca de 10% em Richmond County, EUA.

Foto e informação retirada daqui.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Palestra de Cleber Nunes sobre o Homeschooling

"Homeschooling" - Cleber Nunes from Mises Brasil on Vimeo.



O texto que se segue foi retirado daqui.

O caso dos garotos Davi e Jonatas, hoje com 16 e 17 anos, é emblemático. Durante uma conversa antes de sua palestra, Cleber relatou que ele e sua esposa foram condenados pelos magistrados por cometerem crime de abandono intelectual (Estatuto da Criança e do Adolescente). Detalhou que, nas entrevistas que seus filhos prestaram ao promotor na presença dos membros do Conselho Tutelar, o magistrado frequentemente pressionava-os psicologicamente, insistindo em perguntar se os pais lhes coagiam a estudar em casa e a não frequentar a escola. Insatisfeitos pela tranquilidade e maturidade com que os garotos respondiam as questões - reafirmando a disposição voluntária e realçando todas as vantagens comparativas no ensino domiciliar - as autoridades apropriadamente resolveram aplicar uma prova para testar os conhecimentos dos garotos, já há dois anos fora da escola.

No I Seminário de Escola Austríaca no Brasil, ocorrido em Porto Alegre, tivemos o imenso privilégio de assistir à palestra de Cleber Nunes, pequeno empreendedor mineiro, agora residindo numa cidadezinha interiorana, que retirou seus filhos da escola para aplicar o método de homeschooling, ou ensino domiciliar

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Educada em casa, agora na Universidade

Tradução livre de um trecho deste artigo publicado há 2 dias no Time Educational Supplement, onde Jessica Conray, que está agora na Universidade de Glasgow a tirar o curso superior para professora, fala da sua experiência do ensino domiciliar:

"Eu fui educada em casa até aos 14 anos. Foi muito bom. Geralmente as pessoas imaginam que sem ir à escola é impossivel fazermos amizades. Mas eu não vivo afastada do convívio do mundo!

Foi muito relaxante ser educada em casa. A minha mãe ensinou-nos imenso sem nos apercebermos disso. Acordava-nos e lia para nós - Shakespeare ou o que achava que íamos gostar. Aos 6 anos o meu pai já nos tinha lido A Odisseia. Eu era obcecada pelos egípcios, por isso fiz muitas actividades sobre eles. Cada um de nós seguia os seus interesses. Aprendemos matemática mas usávamos blocos e outras coisas divertidas e também cozinhávamos juntos.

Quando era pequena não sabia que era disléxica. A minha mãe dizia apenas que eu aprendia de uma forma diferente porque ficava frustrada facilmente quando não compreendia as coisas."

domingo, 1 de agosto de 2010

A rede social do ensino doméstico

Inspirada pelo comentário de Betty e Maheus, decidi tentar transferir a rede social do ensino doméstico, que estava para desaparecer, para outro endereço. E consegui! Agora está aqui - o que não consegui foi mudar o idioma para o português :(

Mas quem sabe, se calhar o Alan Dubner vai ajudar a manter a rede do ning, que acho muito melhor que a do grou.ps! Isso seria muito bom mesmo! Obrigada pela oferta, Alan.

UPDATE: o Alan Dubner pagou os custos da rede social do ensino doméstico, que agora está paga até Agosto 2011. Por isso, por favor, ignorem o grou.ps e ajudem a espalhar as boas novas!