Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Ensino doméstico no País de Gales


Ontem, depois das novas estatísticas revelarem o número de crianças aprendendo fora da escola, os "especialistas" educacionais pediram uma regulamentação mais rigorosa do ensino doméstico no País de Gales.

Números divulgados pelo Governo revelaram que cerca de 1.000 crianças do País de Gales foram retiradas da escola. Outras estatísticas revelam um total de 747 crianças aprendendo a partir de casa. É a primeira vez que foi feito um apanhado da educação em casa no País de Gales.

Leia mais aqui.

Jayne tomou a decisão de deixar o trabalho e dedicar-se à educação das duas filhas mais novas. Frustrada com a natureza do ensino tradicional, decidiu tirar Emily, de 10 anos, e Katje, de 13 anos, da escola. As duas filhas estavam a ter problemas no ensino regular devido a dificuldades de aprendizagem que, segundo ela, não eram compreendidas pelos professores.

"É algo extremamente difícil de fazer, é uma coisa a tempo inteiro e foi uma decisão difícil, mas desde que decidi retirá-las da escola, elas estão a desabrochar", disse Jayne. "Os professores diziam que a Emily estava lendo, escrevendo e progredindo adequadamente. Mas na escola ela era muito quieta, muito calada, e logo que chegava a casa explodia e às vezes era violenta. Os professores simplesmente não reconheciam o problema."

Jayne começou a ensinar as filhas sem quaisquer qualificações formais e não teve apoio financeiro.

"É caro, e nós não temos apoio para ensiná-los, mas foi a melhor coisa que fizemos. As autoridades educacionais monitorizam quinzenalmente, o que nos coloca sob muita pressão, mas isso é só no caso de Emily, que tem traços de autismo e TDAH; no entanto, como não tinha um diagnóstico oficial, a escola não queria saber. E Katje foi vítima de bullying porque não vê muito bem, ouve com dificuldade e é um pouco mais lenta do que as outras crianças, por isso a escola também não era o melhor para ela."

Em termos de socialização, as garotas frequentam actividades de grupo e estão mais felizes fora da escola.

Original aqui.

Sem comentários: