Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 15 de março de 2011

Blogagem colectiva : As fases da vida

Convidada pela Rute, estou participando na blogagem colectiva sobre as fases da vida, começando hoje com o Nascimento.

***

Dizem-me que nasci há 44 anos. Digo-vos que nasço todos os dias, que renasço a cada momento. Recentemente, num grupo de prática da comunicação não violenta, alguém desabafou: como gostaria de viver numa sociedade com um maior nível de literacia emocional!

Numa sociedade em que, em vez de juízos de valor, aprendemos a comunicar o que observamos; em vez de darmos opiniões, exprimimos os nossos sentimentos; em vez de esperarmos que os outros concordem as nossas estratégias, estamos conscientes das necessidades subjacentes, e em vez de fazermos exigências e ameaças, arriscamos fazer pedidos, mesmo sabendo que a resposta pode ser um "não".

Na escola nada aprendemos sobre o nosso mundo interior. Ninguém nos ensina a conectar com "o reino de Deus" que está dentro de nós. Ninguém nos alerta para este mundo de sensações, pensamentos, sonhos, fantasias, emoções e necessidades. O resultado é que vamos crescendo desconectados e alienados de nós mesmos.

A conclusão a que eu cheguei é que se eu não estiver consciente das minhas necessidades como poderei satisfazê-las? As crianças aprendem com o exemplo; fazem o que fazemos, e não o que dizemos. Por isso, se queremos que os nossos filhos aprendam a cuidar de si emocionalmente, temos que dar o exemplo.

O processo começa por estarmos conscientes dos nossos sentimentos, porque são eles que nos indicam o que estamos precisando. Sabendo aquilo que precisamos, podemos então pensar em várias maneiras de satisfazer essas nossas necessidades humanas. E quando nos familiarizamos com este processo, quando vivemos conectados com aquilo que está vivo em nós, desenvolvemos a nossa capacidade de empatia e tornamo-nos capazes de ajudar os nossos filhos a desenvolver sua inteligência emocional.

Quando fazem uma birra, em vez de berrarmos "cala a boca!", ou "pára lá com isso, que já me estás a irritar!", podemos dizer "estás triste porque precisas de brincar?", ou "estás zangada porque precisas de atenção e carinho e eu ando sempre ocupada?", e assim por diante...

Com este tipo de intervenção ajudamos os nossos filhos a identificar as suas emoções, a compreender a ligação entre os sentimentos e as necessidades que revelam, e a comunicar de uma maneira muito carinhosa. E como todos nós adultos vivemos com a nossa criança interior, podemos aprender a ouvi-la e amá-la como deve ser!



Deixo-vos um vídeo - espero que vos inspire a conectar com todas as vossas necessidades, e com as dos vossos filhos, pois nem só de pão vive o homem. Também precisamos cuidar da alma, do espirito, do coração!

Lembrem-se: a gente nasce todos os dias, amanhã é um novo dia, para vocês, e para os vossos filhos. O passado já passou, não passa de uma memória. Não percam tempo com auto-censuras. Ninguém é perfeito.

Em vez disso, tornemos realidade os nossos sonhos. A gente faz-se e refaz-se. Dia novo, vida nova! É só querer renascer! E com o renascer de cada uma de nós contribuimos também para o nascimento de uma nova sociedade :-)

30 comentários:

RUTE disse...

Magnifico Paula!
Senti a energia cá deste lado.
À tua frase de: nascemos todos os dias... Junto a que costumo dizer quando as pessoas insistem que o dia de anos é muito importante, ao que eu respondo: eu estou de parabéns diariamente.
Este teu texto tem muita força, mexe com a nossa maneira de pensar.
Obrigada.
Excelente participação.
Rute

orvalho do ceu disse...

Olá, Paula querida
Meu desejo de hoje é que uma chuva de bênçãos seja derramada sobre VC e outra chuva de pétalas de rosas orvalhadas...

Sabe, devo confessar que vc mexeu bem no fundo das minhas emoções com o seu post...
Não aprendi a conviver com meus sentimentos quando criança... não ouvi as frase que vc com tanta doçura nos sugere a dizer aos nossos queridos... vc tem toda razão: como me faz falta!!!
E aí: também repassei parte do que recebi... como seria natural...
Fui crescendo e aprendi a trabalhar a minha INTEGRAÇÃO... estou nesse processo e vou me silenciando bastante...
Preciso me amar pelos que não me amaram... e que queria tanto...
Assim, serei capaz de amar meus fihotes da melhor maneira possível...
Meus netinhos agradecerão, certamente!!!
E nesse "repasse do recebido", vamos prosseguir, com certa sabedoria para modificar o necessário, afinal nós crescemos e Deus é por nós sempre!!!

Carinhos fraternos em forma de orvalho sôbre pétalas de rosas...

Uma santa e abençoada Quaresma para VC.

Bjs natalícios

Paula disse...

Oi Rute,
Achei as tuas fotos lindas!
Obrigada pelo convite e iniciativa :-)
Bjs

Paula disse...

Olá Orvalho do Céu

Obrigada pela visita, pelo comentário e pela chuva de bênçãos e de pétalas de rosas orvalhadas - que me fizeram tão feliz :-)

Gina disse...

Paula,
É importante frisar que não somos perfeitos, mas que precisamos tentar a cada dia vencer as nossas dificuldades.
As culpas e culpados devem ficar no passado, porque nos cabe recomeçar.
Muito boa sua reflexão para o dia de hoje!

Paula disse...

Oi Gina,

É importante mesmo! Por isso enfatizo que o passado já passou, que não passa de uma memória, e por isso precisamos não perder tempo com auto-censuras porque ninguém é perfeito.

Sentimentos de culta não ajudam nada a ninguém. Pelo contrário, só bloqueiam o nosso desenvolvimento ou, como dizes, o nosso recomeçar!

Esplendor da Criação disse...

Na escola nada aprendemos sobre o nosso mundo interior..., concordo com você, se desde pequenos aprendessemos a cuidar da nossa criança interior, ela cresceria mais feliz, aberta e com mais aceitação.
Se eu sou melhor o mundo é melhor, então temos a obrigação de ensinar nossos pequenos, amei seu post,deixou uma msn muito rica. Bjs.

Paula disse...

Oi Esplendor,

Fui dar uma olhada no teu blog, que não conhecia. Encontraste fotos lindas, que milagre mesmo!

Obrigado pela mensagem e visita, fiquei feliz, pois satisfez a minha necessidade de conexão :-)

Lucinha Cullen's Garden and Cia disse...

Paula,

Lindo texto, que me fez refletir bastante.
"Não perca tempo com auto-censuras, ninguém é perfeito". Guardei essa frase pra mim.
Obrigada pela partilha.
Beijos

Paula disse...

Lucinha,
O meu filho tem o mesmo nome que o teu neto :-)
Obrigado pela visita!

Socorro Melo disse...

Oi, Paula!

A vida, vamos construindo, a cada dia, isso é fato.
E,como você, penso que devia nos ser ensinado a lidar com o nosso interior, com as nossas emoções, convicções, habilidades.
gostei muito do seu texto, parabéns!

Um grande abraço
Socorro Melo

Paula disse...

Oi, Socorro :-)

Obrigada pela visita. Seria mesmo óptimo se aprendessemos a lidar com o nosso interior desde pequeninos!

Também gostei muito do teu post!

Lucinha Cullen's Garden and Cia disse...

Paula,
Voltei pra agradecer a visita.
Pois é, vim para aqui na NZ.
E pelo que li você também não mora na Pátria Amada, é isso?
Beijos

Dalaiama disse...

Tu és uma pessoa muito bonita Paula!
Obrigado por mais este post sensível e inteligente :)
Por dentro tu és feita de ouro e Luz!
Desejo-vos as maiores Felicidades sempre!!!

conceicao disse...

Adorei, é realmente importante conhecer o nosso interior, ficarmos felizes por cada dia, aprender com o exemplo dos pais. Pena nem todos pensarem assim.
Bjs

Isabel disse...

Paula!
Também gostei muito de participar neste tema proposto pela Rute, pois dá para uma variedade de outras coisas associadas e muito importantes como estas que mencionas no teu post.
Obrigada e muitos beijinhos
Isabel

Zilda Santiago disse...

Participando da coletiva da Rute e cia. vim ler sua postagem que achei excelente e concordo com tudo.Parabéns pélotexto.Passo a seguir su blog com prazer.Bjs no coração.

Misturação - Ana Karla disse...

Olá Paula!
Realmente renascemos diariamente.
As crianças precisam mais de respeito e compreensão, assim a educação flui com prosperidade.
Gostei muito do texto.
Xeros

Paula disse...

Lucinha,
Pois é, eu também não moro na Pátria Amada!

Dalaiama,
Obrigado pelas tuas palavras. A inspiração veio de Marshal Rosenberg, que criou este poderoso método de comunicação não violenta. Muitas felicidades para ti também!

Oi Conceição,
Obrigada pela visita e pelo teu comentário. Agora tenho que te ir visitar! :-)

Isabelinha querida!
É verdade, dá sempre para relacionar com o que estamos vivendo no momento. Tinha passado a tarde a praticar a comunicação não violenta, por isso foi isso que saiu!

Oi Zilda e Ana Karla,
Prazer em conhecer-vos! Vou já dar uma olhada nos vossos blogues :-)

Que significa "xeros"?

Irene Moreira disse...

Paula

Que bom conhecer mais um cantinho de aprendizado e amizade.
Adorei sua participação e é verdade que colocar filhos nos mundo é um momento de doação, de entrega, de amor e essa conscientização tem que haver.

São nesses monentos de compartilharmos nossas emoções, de darmos nossas opiniões e gfalarmos sobre as experiências vividas que com certeza conseguiremos que possa ecoar por outros caminhos que venham a nos ouvir.

Beijos

Macá disse...

Paula
Cheguei através da Blogagem Coletiva da qual também participo.
Verdade isso, a gente renasce a cada dia e é bom fazermos coisas boas para que esse renascimento só nos melhore como pessoas.
um abraço

Paula disse...

Oi Irene e Macá,

Também adoro conhecer outros cantinhos de aprendizado e amizade, e estas blogagens coletivas são ótimas para isso!

Um abraço para vocês :-)

Maria Luiza disse...

Paula, estou tremendamente encantada com a sua forma de verbalizar sentimentos! Muito lindo e de muito proveito tudo aquilo que vc escreveu. Vou acompanhá-la desde agora, pois sei aque só aprenderei aqui contigo! Parabéns pelo encanto!

Paula disse...

Oi Maria Luiza,

Obrigada pela mensagem :-)
Aprecio muito esta forma de comunicar, que aprendi com Marshall Rosenberg e seus seguidores.

Agora vou dar uma olhada no teu blogue!

Carla disse...

Paula,
O teu texto é muito bonito e passa uma mensagem importantissima. Em geral as pessoas t~em uma dificuldade enorme em gerir emoções e essa dificuldade passa, de um forma imperceptível, para as geraçºoes que ajudamos a criar. Se cada um de nós tivesse a coragem de se ouvir atentamente talvez a sociedade fosse menos triste e até menos violenta. Falta-nos muitas vezes essa capacidade e acima de tudo a capacidade e coragem de sermos honestos connosco.
Foi uma belissima participação.
Beijinhos

Paula disse...

Oi Carla,
Obrigada pelo feedback, é sempre bom saber como as nossas postagens são recebidas. Como tu, penso que se trata de uma mensagem importantíssima, e acredito que podemos ajudar a criar uma sociedade menos violenta prestando atenção à nossa forma de comunicar. Importantíssimo também, como dizes, é termos a coragem de sermos honestos connosco, e vermos como estamos contribuindo para a manutenção de um mundo de sofrimento em auto-destruição.

Olha, gostei do teu blogue, que não conhecia. Fiquei com vontade de experimentar a tua receita de pão de meio centeio ;-)

ensinoregular disse...

Aprender sem escola,,aqui no Brasil não existe.Aqui todas as crianças atá 14 anos são obrigadas a fequentar a escola regularmente.Conheci teu blog atraváes da blogagem coletiva da Rute,e gostei muito.Comecei a te seguir e te convido a visitares os meus blogs.www.ensinoregular.blogspot.com ,www.pemoleque.blogspot.com e www.telasebijuterias.blogspot.com. Espero que gostes.

Luma Rosa disse...

Oi, Paula!!

Interessante você citar a inteligencia emocional, haja visto que os pais sempre perguntam aos filhos, se estão com fome ou mais adiante, porque estão triste? Essa última pergunta, muitas vezes em tom acusatório, como se na infância não existisse espaços para as tristezas. Esse adulto amargurado pelos anos de vida mal vivida, acredita que a infância é o ápice, o único lugar da vida onde se pode encontrar a felicidade plena. Já até ouvi: "Eu era feliz e não sabia". Educar os filhos para serem cidadãos completos, além dos livros e aparências, é saber estar presente nas horas de angústia e também respeitar os seus silêncios.
Passando somente agora para visitar os blogues participantes da blogagem "Fases da vida" e aprendendo muito, muito mesmo!! Beijus,

Paula disse...

Oi ensino regular,

No Brasil já existem familias praticando o homeschooling e, pelo que vejo, compreendo porque o fazem!

Infelizmente, devido à falta de informação e ideias erradas sobre esta forma de educar, alguns tiveram problemas com a justiça.

http://vimeo.com/13654570

Agora vou dar uma olhada nos teus blogues :-)

Paula disse...

Oi, Luma

Sinto muito pelas crianças, que são tão incompreendidas! Muitos adultos, como dizes, parecem pensar que criança não tem sentimentos, e como provavelmente nunca receberam empatia quando eram crianças agora não a têm para dar.

Educar os filhos para a felicidade, para saberem viver (e não apenas para ganhar a vida), é importantíssimo para o futuro da humanidade.

Obrigada pela visita e pela mensagem.