Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

domingo, 13 de março de 2011

Entrevista com uma unschooler agora adulta

Tara é mãe, escritora e coach da vida orgânica, especializando-se na aprendizagem da vida, parentalidade orgânica e em como ter uma vida autêntica. Actualmente viaja nos EUA com o marido e o filho num caminhão convertido para funcionar com óleo vegetariano e um RV alimentado por energia solar. Podem encontrá-la no OrganicSister e SustainableBabySteps.


Quando te tornaste unschooler?
Deixei "oficialmente" a escola a meio do 9º ano, mas tinha começado a pesquisar o unschooling alguns anos antes.

Quanto tempo seguiste o unschooling?
Aprendi fora da escola durante o resto do ensino médio. Mais tarde, em vez da faculdade, fui para uma escola de massagem e depois, para o empreendedorismo, escolhi o autodidatismo.

Quantos anos tens agora?
29

Se foram os teus pais que optaram pelo unschooling, por que motivo tomaram essa decisão?
Não foi a minha mãe que decidiu mas ela apoiou a minha decisão, acreditando que "a escola não é para todos" e na minha capacidade de criar o meu próprio sucesso.

O que te levou a essa decisão, e como se desenrolou esse processo (como é que os teus pais, amigos, professores, etc, reagiram? Que desafios enfrentaste e como os conseguiste superar?).
Eu tinha gostado da escola e dos trabalhos escolares até ao 7º ano. Mas a mudança de escola confundiu a administração e colocaram-me em aulas que já tinha feito. Fiquei incrivelmente entediada! Sem ser desafiada, deixei de gostar da escola. Também não gostava da "cena" altamente dramática da escola e sentia-me mais confortável na companhia de adultos.

No 9º ano, a minha disciplina preferida (inglês) passou a ser a que menos gostava. Em vez de fazer o que queria, ler e escrever, estava re-aprendendo a capitalização e tentando convencer o professor que já sabia a diferença entre um ponto de interrogação e um ponto de exclamação desde o 2º ano. (A professora disse que se isso fosse verdade eu não estaria na sua sala de aula e a administração dizia que quem decidia se eu precisava de uma classe diferente era a professora!)

A minha transição para o unschooling começou comigo faltando às aulas, e só indo às que eu gostava ou que me estimulavam (foi aqui que o meu interesse pela ciência e computadores começou). Eles tendem a desaprovar o atendimento seletivo, por isso suspenderam-me.

Acho que perguntei à minha mãe se podia aprender em casa, mas nunca pensámos praticar a "escola em casa". Nunca tínhamos ouvido falar do unschooling e não nos juntámos a nenhum grupo de homeschoolers. Por causa disso, penso que muitas pessoas viam-me como um caso de "abandono escolar", apesar de eu nunca me ter identificado como tal. Sabia que tinha tomado uma decisão consciente e, com o apoio da minha mãe, senti-me empoderada.

Acho que o maior desafio que enfrentei foi ultrapassar a mentalidade dos meus colegas. Como nunca nos juntámos a outros homeschoolers e nunca tinha ouvido falar do unschooling, eu continuava a conviver com os mesmos amigos de antes. A minha perspectiva era limitada pelas deles e não expandiu até anos mais tarde, quando comecei a procurar informação sobre novas ideias e maneiras de viver.

Como para mim o unschooling é um modo de vida, agora eu vejo que durante essa fase eu estava desescolarizando a mente. Cometi muitos erros ​​durante essa tentativa de recuperar a minha autonomia mas com essas experiências aprendi o que não queria como parte da minha vida.

Para ti, qual é a melhor coisa do unschooling ?
A liberdade: a liberdade de criares a tua própria vida, de curar, de crescer sem limites, de investigar sem limitações. Coisas surpreendentes acontecem quando temos liberdade.

E para ti qual é a pior coisa do unschooling (ou a mais difícil)?
Acho que ir contra a norma e fazê-lo sem apoio pode ser muito difícil. Se uma pessoa vive numa zona em que não há nenhum grupo de unschoolers, pode ser mais susceptível a críticas ou pressões para se conformar ao modo de pensar do resto da sociedade.



Decidiste não ir para a faculdade ou universidade? Fala um pouco sobre essa experiência e sobre o que decidiste fazer em vez disso.
Eu não precisava de frequentar a faculdade para fazer o trabalho que queria fazer nessa época (massagem terapêutica). Por isso, em vez de ir para a universidade, decidi inscrever-me numa escola de massagem.

Continua aqui.
Original aqui.

Sem comentários: