Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

sábado, 7 de maio de 2011

HSLDA defende o ensino doméstico para crianças com problemas de saúde

Para as crianças que sofrem de problemas crônicos de saúde, o ensino doméstico oferece muitas vantagens. No entanto, às vezes, a doença pode ter consequências para além do centro de saúde. A filha dos Dowds (nome alterado para proteger a privacidade) estava matriculada numa escola pública mas, por causa da mononucleose, não podia comparecer.

Um sinal característico da mononucleose é o aumento do baço, chamado de esplenomegalia. Quando este ocorre, é necessário manter repouso, devido ao risco de ruptura esplênica.

A pediatra recomendou o ensino doméstico devido à sua flexibilidade e por não obrigar a menina a sair de casa. Quando foram encaminhados para o Departamento de Crianças e Famílias por causa do absentismo escolar, a família viu que precisava de fazer algumas mudanças. Decidiram educar a filha em casa e juntaram-se à HSLDA.

O distrito escolar tinha referido os Dowds para o Departamento de Crianças e Famílias devido às ausências da filha por motivo de doença. No entanto, os assistentes sociais devidamente determinaram que a filha estava doente e que não se tratava de uma situação de negligência. No entanto, quando o distrito escolar se apercebeu que a intenção da família era praticar o ensino doméstico, exigiu requisitos adicionais. A família pediu então ajuda à HSLDA.

O advogado Michael Donnelly contactou o distrito escolar e informou-os que a documentação que os Dowds haviam enviado era suficiente perante a lei. A família depressa recebeu uma carta aprovando o programa que haviam escolhido para o ensino doméstico.

***

Outro membro da HSLDA tinha uma filha com a doença de Lyme. A família havia sido investigada várias vezes por causa de familiares que não concordavam com o ensino doméstico. Contudo, a "denuncia" mais recente foi feita por um funcionário dos serviços médicos que queria que a menina fosse para a escola por "razões sociais", e acusando a mãe de "patologizar" a filha com demasiadas visitas ao médico. Apesar da menina estar a ser tratada por um especialista de Lyme e ter sido diagnosticada com Lyme, os assistentes sociais continuavam o seu processo de "avaliação da família", estressando a família.

A doença de Lyme é uma condição perniciosa e pouco conhecida. A HSLDA contactou o Departamento de Crianças e Famílias e ajudou a acelerar o encerramento da investigação, aliviando assim a família.

Essas histórias mostram que o ensino doméstico é uma opção válida para as crianças que sofrem de doenças crônicas. O apoio da HSLDA ajudou estas famílias a manter a confiança para começar e continuar a educar os filhos a partir de casa face aos problemas causados por pessoas mal informadas ou hostis.

Original

Sem comentários: