Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

terça-feira, 19 de julho de 2011

O argumento a favor da liberdade de educação

O argumento a favor da liberdade é que a compulsão nunca é ideal para as crianças mais velhas, como por exemplo os adolescentes, e que nem sequer é viável para as crianças mais pequenas com base na suposição de que algumas famílias não estão à altura da tarefa. Os que defendem a liberdade de educação não afirmam que todas as famílias têm a capacidade necessária para desempenhar esta tarefa. No entanto, diriam que se partimos do princípio que a maioria das famílias são adequadas e impomos a escolaridade obrigatória à mesma, então ficamos muma posição estranha, exigindo que todas as famílias enviem os filhos para a escola apenas porque algumas famílias não compreendem a importância de equipar os filhos com uma formação elementar cognitiva e moral. Mas como podemos justificar forçar a maioria das pessoas a enviar os filhos à escola quando elas o fariam de forma voluntária, apenas porque uma minoria poderia não o fazer?

Esta é certamente uma base insatisfatória para a organização da aprendizagem numa sociedade livre. A única coisa que poderíamos dizer é que algumas famílias não estão à altura da tarefa e que por isso deveriam ser obrigadas a mandar os filhos para a escola. No entanto, por ser insultuoso, este argumento tem implicações ainda mais desagradáveis e eticamente inadequadas do que o nosso regime actual. Se a compulsão fosse mantida por estas razões, restringindo-a a este grupo, o Estado teria a tarefa altamente injusta e politicamente explosiva de decidir que pessoas precisam de ser forçadas a frequentar a escola. (...)

Após esta breve discussão, eu sugiro que o argumento filosófico para o ensino obrigatório e universal, embora possa ter algumas características superficialmente atraentes, é fundamentalmente fraco e contraditório. Não podemos tornar a escola obrigatória sem insultar a maturidade e capacidade da maioria dos cidadãos.

Dennis O'Keeffe MA PhD, Professor de Ciências Sociais na Universidade de Buckingham.
Original aqui.

Sem comentários: