Este blog partilha informação sobre o homeschooling e o unschooling - ensino doméstico ou educação domiciliar. Para navegarem o site, usem os links acima e, para os posts de 2011, o botão da pesquisa na barra direita. Facebook: Aprender Sem Escola Email: aprendersemescola@gmail.com

quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

A escola da mamã

No Quebec, enquanto dezenas de milhares de alunos no ensino primário e secundário vão voltar para a escola no início desta semana, cerca de 2.000 crianças permanecerão em casa. Os pais decidiram educá-las em casa, seguindo mais ou menos o programa do Departamento de Educação - ou ignorando-o completamente!

Podem ler o artigo, em francês, aqui. Da Roménia à Indonésia, o ensino doméstico vai de vento em popa!

terça-feira, 30 de Agosto de 2011

"Unschooling" ganha popularidade


Zoe Bentley, 14 anos de idade: esta adolescente alegre de Tucson, Arizona, investiga as coisas que gosta, quando quer, tão profunda ou superficialmente quanto quer, todos os dias do ano. Zoe, como "unschooler", é livre das exigências da escolaridade obrigatória.

Neste momento está a ver as sequóias da Califórnia com a família, fazendo mudanças no seu website e cheia de vontade de produzir mais um vídeo sobre o seu tema favorito, exogeologia, o estudo da geologia noutros planetas.

"Eu adoro investigar a história de uma área", disse Zoe. "Se calhar um vulcão entrou em erupção e foi crescendo ao longo dos tempos, ou o vento transformou a rocha em dunas de areia, ou um meteoro colidiu no chão e fez uma cratera. Adoro descobrir a origem destas formações."

Continua aqui (em inglês).

segunda-feira, 29 de Agosto de 2011

Unschooling, uma opção viável para estudantes universitários

Alex Hebdon fala sobre a experiência dela aqui.

sábado, 27 de Agosto de 2011

Passeios neolíticos: o menir de Michinhampton

Esta pedra de oólito, com 2,4 m de altura, encontra-se entre Minchinhampton e Avening.

Este é sem dúvida o menir mais famoso desta região (Gloucestershire, no Sudoeste da Inglaterra). Aprender mais aqui.

sexta-feira, 26 de Agosto de 2011

Passeios neolíticos: Uley Long Barrow

Uley Long Barrow é um túmulo neolítico situado perto da aldeia de Uley, em Gloucestershire, na Inglaterra. Em 1821, quando escavaram o monte, encontraram 15 esqueletos. Este monte artificial também é conhecido como "Hetty Pegler's Tump". Hetty, ou Hester, era a esposa de Henry Pegler, o proprietário do terreno no século XVII.

O túmulo, provavelmente construído antes do ano 3000 AC, tem uma galeria seccionada. A entrada é muito baixinha, temos que ir de gatas!

Entrei e lá fiquei, a meditar... Mas para a próxima tenho que me lembrar da lanterna!
Um dos nossos amigos não entrou! Diz que não gosta de se sentir enclausurado!

quinta-feira, 25 de Agosto de 2011

Passeios neolíticos: Nympsfield Long Barrow

Hoje fomos visitar uma necrópole megalítica e ficámos maravilhados com as vistas espectaculares sobre o Vale do Severn.
Nympsfield Long Barrow é uma mamoa ou tumulus.

Este montículo artificial de terra, outrora um cemitério neolítico, fica situado perto da aldeia de Nympsfield, em Gloucestershire, no Sudoeste da Inglaterra.

Construído por volta do ano 2800 AC, é um dos primeiros exemplos de uma mamoa com câmaras separadas.

quarta-feira, 24 de Agosto de 2011

Sucesso: ensino doméstico para jovem com síndrome de Asperger


Enquanto os outros jovens da mesma idade esperam pelos resultados do 11º ano, um rapaz inglês de 16 anos está comemorando seu sucesso em 7 disciplinas do 12º ano. E também tem o 7º ano de viola e violoncelo, e o 8º ano de canto e piano!

Os pais educaram o filho em casa, e continuam a criticar o sistema educativo que os desiludiu.

Edward tem uma forma de autismo chamada Síndrome de Asperger e sofre de fadiga crônica. Foi retirado da escola aos 10 anos, doente e infeliz. A mãe, Sheila Kimberley, disse que foi a única opção, pois Edward precisava de estudar em periodos curtos mas intensos. A família sabia que não havia outra maneira e seguiram em frente sem ajuda financeira nem orientação das autoridades.

Sheila disse que chorou muitas vezes com a frustração de não conseguir encontrar uma maneira de ultrapassar certas dificuldades. Depois aprendeu que precisava de esquecer o que tinha aprendido e aplicar ideias completamente diferentes.

Edward disse que o sistema de ensino concentra-se demasiado nos exames, em vez de se concentrar nos alunos enquanto indivíduos com interesses únicos: "Os exames deixaram de ser uma forma de avaliar o que aprendemos e passou a ser o único objetivo. Ajudar pessoas como eu não é incluido na descrição do trabalho dos professores."

Edward espera tirar um curso universitário à distância em política e relações internacionais antes de prosseguir uma carreira como compositor ou escritor.

Fonte

terça-feira, 23 de Agosto de 2011

Homeschooling em ascensão na Suíça

A Associação Suíça do Ensino Doméstico diz que a popularidade desta forma de aprendizagem está a aumentar, embora alguns 'especialistas' não acreditem que o ensino domiciliar seja a melhor maneira de educar os filhos. Podem ouvir a entrevista aqui.

segunda-feira, 22 de Agosto de 2011

Passeios: Gaunts, em Dorset

Casa Gaunts, um sítio para pensadores livres empenhados em apoiar a evolução da consciência.

Livres e não confinados por perspectivas dogmáticas, o pessoal que vive nesta casa dedica-se à aprendizagem profunda e à manutenção de um ambiente pacífico e inspirador.


Ao longo dos anos, a mansão foi usada para a apresentação de ensinamentos dedicados à transformação e ao auto-conhecimento, por pessoas como Thich Nhat Hanh, Elisabeth Kubler-Ross, Satish Kumar, Gangaji, etc.

sexta-feira, 19 de Agosto de 2011

Unschooling no noticiário



Depois das férias de verão, sem trabalhos de casa e livres para escolher seus horários, as crianças de todo o país estão a preparar-se para voltar para a escola. No entanto, alguns pais vão experimentar um novo método de ensino que deixa os filhos manter essa mentalidade de férias o ano inteiro.

O método, conhecido como "unschooling", deixa as crianças controlar sua aprendizagem. Em vez de se sentarem com livros didáticos, as crianças vão para museus ou vêem programas de televisão educativos. Diane Targovnik é uma defensora de desescolarização: diz que as crianças aprendem com a vida.

Ver: 'Unschooling' Gives Kids Choice in Studies

quinta-feira, 18 de Agosto de 2011

Alunos aprendam no conforto da sua casa


Em Cincinnati, EUA, as escolas públicas lançaram um novo programa na internet que deixa os alunos aprender no conforto das suas casas. Cincinnati Digital Academy oferece um currículo gratuito na internet, acessível 24 horas por dia. Neste momento tem cerca de 40 alunos matriculados.

"A ideia de que não precisamos estar em um determinado edifício para aprender é diferente", admitiu Eric Thomas, Diretor de Inovação, explicando que actualmente, no que toca ao ensino, a tradicional sala de aulas é apenas uma das muitas opções e que alunos não-tradicionais requerem ambientes de aprendizagem não tradicionais.

Linda, mãe de três filhos, diz que este sistema combina a estrutura do sistema de ensino público com a atenção individual do ensino doméstico: "O ensino doméstico costumava ser fora do comum mas agora as pessoas estão dizendo que não querem colocar os filhos na escola pública".

O curso online é interativo, com vídeos, lições práticas e interação com os professores, oferecendo também um computador com acesso à internet e suporte técnico, acesso a livros digitais, laboratórios de ciência e materiais.

Ver: CPS offers online option for K-12

quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

Uma minoria dentro de uma minoria

Testemunho de uma jovem educada em casa

Ensino Domiciliar Judaico

Geralmente, os homeschoolers são divididos em dois grande grupos: cristãos e ateus. Mas essa divisão não revela a diversidade de pessoas que opta pela aprendizagem fora da escola. As razões que levaram os meus pais a optar pelo ensino doméstico não foram religiosas, e como também não eram cristãos, colocariam-nos na categoria errada. Como judeus, somos uma minoria dentro de uma minoria dentro de uma minoria.

Quando as pessoas perguntam a minha mãe por que ela decidiu não mandar os filhos para a escola, ela não fala de política, psicologia infantil, pressão de grupo, nem sequer do que é uma boa educação para ela. Em vez disso, ela simplesmente explica que gostava muito de estar conosco e queria que passássemos tempo juntos. Mas se você insistisse, ela falaria de psicologia infantil e política educacional o dia inteiro!

Foto e trecho retirado daqui

terça-feira, 16 de Agosto de 2011

A motivação que leva ao ensino doméstico II

Depois do post de ontem - motivação: por desespero ou inspiração? -, fiquei a pensar na relação com a motivação intrínseca e extrínseca. A motivação intrínseca é deflagrada pelas nossas necessidades e interesses individuais, enquanto que a motivação extrínseca vem de fora, de processos exteriores. Promessas de recompensas e/ou ameaças de castigos são exemplos de factores exteriores. É claro, existe sempre uma interação entre a pessoa e o ambiente, mas vou deixar essa questão de lado por agora...

Estava então a pensar que quando os pais são levados a retirar os filhos da escola por desespero, a principal motivação é libertar os filhos de um ambiente prejudicial e de todas as consequências negativas desse ambiente na vida dos filhos. Para estes pais, o ensino doméstico surge como uma solução para um problema causado por forças externas.

Mas muitos pais optam pelo ensino doméstico quando os filhos ainda são bebés. Esta opção é algo que vem de dentro, do íntimo das pessoas, algo que reflete seus valores, suas crenças, sua filosofia de educação, seu propósito de vida. Trata-se portanto da manifestação de uma motivação intrínseca.

Repito, nada é fixo, e o que nos motiva a iniciar o ensino doméstico pode não ser o que nos leva a continuar a praticar esta forma de educação alternativa; muitos pais que decidem retirar os filhos da escola devido ao bullying, por exemplo, depois de pesquisarem as várias metodologias do ensino domiciliar, passam a ser motivados, por exemplo, por um novo paradigma educacional verdadeiramente centrado nas crianças.

Para os unschoolers, esta questão da motivação é crucial. A motivação intrínseca é considerada como algo precioso, algo que devemos proteger. A maioria dos pais que opta pela aprendizagem autónoma está a par do problema da corrupção da motivação. Wikipedia explica a corrupção da motivação da seguinte forma:

Sob esse nome entende-se o fenômeno de que a motivação intrínseca do indivíduo em determinadas situações diminui, em que ele é recompensado pelo comportamento apresentado. Em um experimento clássico, Lepper e seus colaboradores (1973)[1] dividiram um grupo de crianças em três grupos menores: cada um dos grupos recebeu a tarefa de desenhar com canetas coloridas; o primeiro grupo foi informado de que ganhariam um brinde de reconhecimento pelo trabalho, o segundo recebeu um brinde surpresa, sem ter sido informado e o terceiro não recebeu nada. Os autores observaram que todas as crianças desenharam com as canetas - atividade apreciada pelas crianças - mas as crianças a quem havia sido prometido um brinde desenharam muito menos e com menos entusiasmo do que as outras, o que os levou à conclusão de que a promessa de uma recompensa pelo trabalho diminuiu a motivação intrínseca das crianças em fazer algo que elas gostam.

Resumindo
  • a motivação que leva à prática do ensino doméstico pode ser intrínseca ou extrínseca;
  • o que nos motiva a educar os nossos filhos fora do sistema escolar pode mudar com o passar do tempo;
  • a questão da motivação é crucial para os unschoolers;
  • o modo como educamos os nossos filhos pode proteger ou destruir a sua motivação intrínseca, o seu entusiasmo e a sua sede de aprender.

[1] Lepper, M.R., Greene, D., & Nisbett, R.E. (1973). Undermining children's intrinsic interest with extrinsic reward: A test of the "overjustification" hypothesis. Journal of Personality and Social Psychology, 28, 129-137.

segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

A motivação que leva ao ensino doméstico

O que nos leva a fazer o que fazemos? O que nos leva a agir? O que leva tantos pais a optar pelo ensino doméstico? Anthony Robbins disse que na vida precisamos de inspiração ou de desespero. No mundo da educação em casa, vejo muitos exemplos disto.

Inspiração ou Desespero?

Educar em casa por desespero

Infelizmente, a verdade é que existem muitas famílias que retiram os filhos do sistema escolar por desespero. São pais cansados de ver os filhos sofrendo por causa do bullying e violência escolar que leva tantos estudantes ao suicídio. São pais cansados de ver o impacto negativo da frequência escolar nos filhos especiais. São pais de crianças com dispraxia, dislexia, síndrome de asperger, déficit de atenção e hiperatividade, etc, que chegaram à conclusão de que a escola não tem a capacidade de cuidar, muito menos educar e nutrir as necessidades dos seus filhos.

São pais cansados de ver os filhos sendo culpados pelas falhas de um sistema disfuncional que neles projeta sua sombra, fazendo deles seu bode expiatório. Motivados pelo desespero, fazem o que têm a fazer, geralmente durante uma crise, para proteger a vida, a saúde e o bem estar psicológico dos filhos. Infelizmente, alguns são perseguidos e acusados de negligência por supostos "profissionais" e "especialistas" que com suas "boas intenções" condenam tantas crianças e jovens ao inferno!


Educar em casa por inspiração

Por outro lado, existem cada vez mais pessoas que se sentem cheias de inspiração, pessoas cujo impulso para a educação domiciliar vem de uma visão positiva do que querem alcançar. Para elas, o ensino doméstico não é uma forma de se libertarem de um pesadelo mas um sonho que querem tornar realidade. Para estes pais, o homeschooling e/ou o unschooling faz parte integral do seu projeto de vida.

São pais inspirados pelos direitos das crianças, pela liberdade na aprendizagem, pela educação democrática, pela parentalidade intuitiva, pela comunicação não violenta, pelo direito à felicidade, pela criação de um mundo melhor para as futuras gerações. São pais conscientes da interconectividade de tudo e todos, conscientes do efeito borboleta, conscientes de que o bater das asas de uma borboleta num extremo do globo pode desencadear um tufão no outro lado.


Do Desespero à Inspiração

Há quem diga que "a motivação por inspiração é a mais sublime, a mais vivificante e a mais prazerosa", que "viver a vida de forma inspirada é a maestria do desenvolvimento pessoal". Claro, as coisas não são estanques, e a motivação que nos impulsiona a fazer o que fazemos também muda com o passar do tempo. Há quem comece a praticar o ensino domiciliar por desespero mas que eventualmente passa a fazê-lo por inspiração. E vocês? Qual é o vosso caso?

Continua aqui.

domingo, 14 de Agosto de 2011

Nova lei dá mais liberdade aos homeschoolers

Minnesota, EUA: boas notícias para os pais que educam os filhos em casa.

"O Estado está reconhecendo a validade da educação em casa", disse Lorna Cook, falando sobre a nova lei que liberta os homeschoolers de quase toda a burocracia exigida pelas leis anteriores. "Afinal, as estatísticas mostram que em geral, no que diz respeito à educação em casa, os pais estão fazendo um bom trabalho."

Com efeito, a nova lei parece dizer aos homeschoolers: "Vamos economizar tempo e dinheiro e deixar os pais-educadores continuar a fazer o bom trabalho que estão fazendo."

Vários mandatos desapareceram sob a nova lei, incluindo um que exigia que os pais sem educação superior enviassem relatórios trimestrais sobre os filhos ao director da escola pública da sua residência.

A nova lei também acaba com a exigência das visitas anuais pelo dito director, reduzindo a 'papelada' em geral.

Erica Gagnon, que pratica o ensino doméstico há 9 anos, disse estar surpreendida. Pensava que a lei não iria ser aprovada por causa da opinião prevalecente de que os homeschoolers não oferecem os mesmos benefícios que as escolas.

"Muitas pessoas estão preocupadas com a possível falta de estrutura e supervisão", disse ela. "Ninguém escolhe o meu currículo ou decide o nosso horário. Muitos preocupam-se com a possibilidade de algumas crianças serem educadas de forma inadequada. Mas isto diz-me que o governo não está preocupado com os homeschoolers, que em geral estamos fazendo um bom trabalho e que não precisamos de mais restrições."

O sucesso dos homeschoolers é muitas vezes demonstrado nos meios de comunicação, com crianças educadas em casa vencendo competições de geografia e ortografia, e obtendo melhores resultados do que as crianças da mesma idade educadas nas escolas, disse ela.

Ler o resto aqui.

sábado, 13 de Agosto de 2011

As crianças estão sempre a aprender

Vídeo aqui.

HOPE, Maine - Em 1981 Kathy e Ed Green tentaram matricular a filha mais velha no jardim de infância mas naquela época a cidade de Hope não tinha um jardim de infância. A escola mais próxima era longe e o casal decidiu experimentar a educação em casa.

Há 30 anos, eles eram uma de 10 famílias registradas como pais-educadores no Departamento de Educação de Maine. Do início dos anos 1990 a 2005, o número de crianças registradas em regime de ensino doméstico foi aumentando gradualmente, com cerca de 200 a 300 crianças por ano a iniciar o ensino domiciliar. Desde 2005 que o total permanece relativamente estável, oscilando entre 4.700 e quase 5.000.

Não temos documentos sobre as razões que levam tantos pais a optar pela escola em casa, nem sobre o que levou este método de ensino a crescer tão rapidamente. Pode ser por causa do advento da internet e da crescente disponibilidade de planos de aulas. Ou porque o homeschooling tornou-se mais popular, por já não parecer tão estranho.

"Para elas, aprender é um modo de vida. É constante, acontece todos os dias, a cada momento", disse Kathy. "E continua durante os meses de verão, quando os alunos das escolas públicas estão de férias. As crianças nunca param de aprender, por isso você está sempre ensinando".

"É um modo de vida. Nós não vemos o ensino doméstico como uma escola em casa", acrescenta o marido, "mas simplesmente como parte integral do nosso dia a dia. E as crianças gostam porque podem perguntar 'Por que é que o céu é azul?' sabendo que vamos ter tempo para explicar ou ajudá-las a descobrir".

A família fundou Homeschoolers de Maine, uma organização voluntária sem fins lucrativos cujo objectivo é ajudar outros pais que educam os filhos fora do sistema escolar. A organização ajuda a avaliar os alunos, organiza conferências e distribui informação sobre o ensino doméstico.

Vídeo e artigo aqui.

sexta-feira, 12 de Agosto de 2011

Pais decidem desescolarizar os filhos

Todos sabemos que o sistema escolar não está recebendo elogios, mas será que isso é suficiente para desescolarizar os filhos? Agora até já há palavra para isso: unschooling. Outro termo é 'educação democrática'. Basicamente, em vez de colocar as crianças e jovens em aulas de inglês ou de matemática é deixá-las decidir o que querem aprender. Mas a questão é: será que isso realmente funciona?

Estamos habituados a ver as crianças sentadas em salas de aulas aprendendo a ler e a escrever todas ao mesmo tempo sob a direcção de um professor. Mas agora existe uma nova opção, uma que substitui a tradição por um ambiente de aprendizagem mais relaxado.

"Vi que todo mundo ensina os alunos a fazer testes padronizados, mas o meu filho não é padrão", disse Diane Targovnik, que se juntou a outros pais para fundar a Escola Livre Phoenix Rising.

Diane diz que a Escola Livre é um sistema de educação democrática em que as crianças decidem o que querem aprender. Vimos, no site da escola, uma lista de potenciais actividades com opções típicas - assistir a uma aula de matemática ou fazer pesquisa sobre a Guerra Civil - e outras menos comuns, como contruir uma fortaleza e subir as árvores.

Como é que estas coisas ajudam a educação das crianças?", perguntou a repórter.

"Porque se você já tentou construir uma fortaleza você sabe muito bem que isso envolve geometria, carpintaria, ciências e pensamento criativo", responde Diane, argumentando que as crianças usam as suas experiências do mundo real na aprendizagem dos fundamentos importantes.

Ler o resto aqui.

Copyright 2011 KPHO. Todos os direitos reservados.

quarta-feira, 10 de Agosto de 2011

Galinhas com crista em Corsham

Mais um dia de música e socialização :-)


Galinhas com crista é a tradução do título de uma peça que não conhecia mas que adorei aprender.


Podem ouvir duas versões diferentes, uma aqui e outra aqui.
Qual é a vossa preferida?

terça-feira, 9 de Agosto de 2011

Tomate e feijão verde a crescer

no jardim de um amigo...

segunda-feira, 8 de Agosto de 2011

domingo, 7 de Agosto de 2011

Vídeo feito por crianças educadas em casa

As crianças que aprendem em regime de ensino doméstico têm muitas oportunidades de participar em vários projectos na sua comunidade e estabelecer parcerias com as mais variadas organizações. E este é apenas um exemplo. No verão do ano passado, British Waterways contratou Hive Media para facilitar uma oficina em fotografia e vídeo em Leicestershire, Inglaterra. Vinte crianças educadas "em casa" aprenderam a usar o equipamento. O resultado foi este vídeo.

British Waterways Home Schooling

sábado, 6 de Agosto de 2011

Aprendem o que querem, quando querem


Quem? Os unschoolers, claro!
Fotos e artigo aqui.

sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Imaginem um mundo onde ...

todos os vegetarianos são obrigados a se registrar com as direcções regionais de alimentação e informá-las sempre que mudarem de casa; um mundo em que os vegetarianos são sujeitos a uma visita anual por parte de um inspector da indústria da carne cujo objectivo é avaliar os seus planos alimentares e verificar se estão em conformidade com as demandas do governo; um mundo em que os inspectores têm o direito de interrogar os filhos das famílias vegetarianas na ausência dos pais para saber se estão felizes com a sua dieta vegetariana.

Não precisam usar a vossa imaginação - esta é a realidade. Estas medidas foram propostas pelo governo britânico há dois anos, não para os vegetarianos mas para as pessoas que fizeram a escolha legítima de educar os filhos fora do sistema escolar. Felizmente, os vegetarianos do Reino Unido uniram-se e as propostas não foram avante. Mas os vegetarianos sabem muito bem que a indústria da carne não desiste facilmente, por isso continuam unidos e atentos a possiveis ataques.Agora imaginem um país em que o vegetarianismo é considerado crime, um país em que as crianças são obrigadas a comer apenas a dieta imposta pelo governo, e apenas em cantinas públicas ou aprovadas pelo governo; um país em que os pais vivem com receio de serem denunciados por não obrigarem os filhos a comer a dieta do Estado nas cantinas públicas.

Não precisam usar a vossa imaginação - a situação no Brasil, não para os vegetarianos mas para as pessoas que optam pelo ensino domiciliar, faz com que muitos pais tenham receio de educar os filhos fora do sistema escolar. Não é de admirar; na Suécia, por exemplo, chegam ao cúmulo de mandar os serviços sociais tirar os filhos dos pais e submetê-los a avaliações psicológicas!

Adaptado daqui.

A união faz a força.
Chegou a hora de apoiar a liberdade de educação!

quinta-feira, 4 de Agosto de 2011

quarta-feira, 3 de Agosto de 2011

Federação Europeia da Educação em Casa

Proposta de uma organização europeia da educação em casa, unindo associações / grupos existentes e pais-educadores de diferentes países europeus.

Se a união faz a força, então quanto mais nos unirmos mais fortes seremos. Existem diferenças entre as pessoas que educam em casa, mas neste momento precisamos de nos concentrar naquilo que temos em comum. Vemos por toda a Europa um movimento por parte dos governos europeus para restringir o ensino domiciliar, que pode ser verificado em actividades recentes e não tão recentes na Inglaterra, Irlanda, Espanha, França, Alemanha, Suécia, etc.

Há países na Europa onde não se pode educar em casa, outros em que só pode praticar o ensino doméstico quem tiver curso de professor, países onde o ensino domiciliar é usado como pretexto para tirar os filhos dos pais, países onde se você não passar os exames do Estado você é obrigado a voltar para a escola, países onde os pais têm tanto medo que a polícia bata à sua porta que acabam por deixar os filhos sofrendo uma situação em que sua felicidade é seriamente comprometida... há países na Europa sem uma associação, países onde a ideia de se poder educar em casa é equivalente a dizer que você é louco, e países onde as pessoas nem sequer sabem da existência desta possibilidade.

Não podemos negar o efeito cascata na União Europeia; a victória de uma família é uma vitória para todos nós, e a derrota de uma família representa sempre uma derrota que pode vir a ter repercussões negativas para as famílias que optam pelo ensino domiciliar. Para dar um exemplo, apenas um mas relevante, esta semana eu recebi uma carta do escritório da defesa pública aqui em Espanha, citando o caso Konrad perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (2006), e que mesmo que se possa provar que a educação em casa esteja ao mesmo nível da escola, a integração na sociedade proporcionada pela escolaridade obrigatória é uma vantagem que de as crianças não devem ser privadas.

Na decisão do Tribunal Constitucional espanhol de Dezembro de 2010, ao ordenar a frequência escolar para os filhos do réu, também foi usado o argumento, como no caso Konrad, de que os pais-educadores podem educar os filhos de acordo com as suas convicções "depois da escola e aos fins de semana". Alguém que não conheço perdeu uma batalha, e isso afeta a minha situação. Conhecimento é poder, e quanto mais conhecimento partilharmos, quanto mais apoio dermos uns aos outros, quanto mais nos relacionarmos uns com os outros, tanto melhor será para todos nós. Os países com menos experiência irão beneficiar daqueles com mais experiência, e aqueles com mais experiência irão beneficiar da força de um grupo maior.

Learning Unlimited tem possibilitado a conexão entre pais-educadores desde 2001, e tem sido inestimável na prestação de consultoria, assistência e apoio a pessoas de toda a Europa. No décimo aniversário de sua fundação, e num esforço para elevar o espírito de união entre o nosso coletivo e tornar-se mais forte através da união dos nossos esforços, chegou a hora de darmos mais um passo e fortalecer as relações entre as associações, grupos e indivíduos na Europa criando uma Federação Europeia da Educação em Casa.

Netzwerk Bildungsfreiheit da Alemanha, NVvTO da Holanda e da União Europeia já estão a bordo. Eu pertenço a uma organização espanhola, a ALE. Existem planos para uma reunião esta semana sobre este assunto na Hesfes, Inglaterra, e de novo durante a Conferência Europeia que estamos hospedando em Setembro.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Se fosse possível que alguém de Portugal participasse nesta conferência, a sua contribuição seria muito bem-vinda e valorizada. Se isso não for possível, se alguém pudesse oferecer-se para formar parte de um grupo de trabalho que pudesse tomar as medidas necessárias para formar a estrutura para esta nova organização que irá fortalecer as relações entre os pais-educadores por toda a Europa, por favor entrem em contacto o mais depressa possível.

Espero que isto traga resultados reais e tangíveis para todos nós, e que a formação deste novo sindicato conte com o apoio e participação da sua organização.

Daragh McInerney, Presidente, ALE, Espanha (educacionlibre.org)
daraghmci@hotmail.com

terça-feira, 2 de Agosto de 2011

Empreendedorismo Educacional: Mãeducadora ou Mãempreendedora?

Resolvi fazer um cursinho de introdução ao empreendedorismo e sorri ao ver as semelhanças entre o perfil do empreendedor e dos homeschoolers, os pais e mães que decidem tomar responsabilidade pela educação dos filhos em vez de delegarem essa responsabilidade à escola.

Tal como os empreendedores, os pais-educadores não desanimam quando lhes dizem "mas nunca vi ninguém fazer isso!" - ou, no seu caso, "tirar os filhos da escola e educá-los em casa? Você está maluco!", "não é assim que se educam as crianças!"

Tal como os empreendedores, os pais-educadores não desanimam ao verem que são os únicos a inovar; no seu caso, os únicos a praticar esta modalidade educacional na zona onde moram.

Tal como os empreendedores, os pais-educadores estão criando algo diferente e com valor, no seu caso uma forma de educação diferente, dedicando o tempo e o esforço necessários, assumindo os correspondentes riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes - e recebendo as consequentes recompensas!

Tal como os empreendedores, os pais-educadores têm muita iniciativa, visão, coragem, firmeza, poder de decisão, capacidade de organização e direção, e uma atitude de respeito pelo ser humano.

Tal como os empreendedores, os pais-educadores não receiam a inovação - diria até que a maioria está consciente dos 5 estágios de qualquer inovação pois no ensino doméstico o processo é o mesmo: primeiro, as pessoas negam a necessidade do ensino doméstico e insistem que a escolaridade obrigatória é a melhor forma de educar as crianças. Depois, dizem que o ensino doméstico não é eficaz. Ao verem os resultados positivos, começam a negar a importância da educação domiciliar. Depois, dizem que o esforço necessário para educar os filhos a partir de casa não vale a pena. Por fim, passam a aceitar e a adotar a aprendizagem fora da escola, e a apreciar as suas vantagens. No entanto, irão provavelmente atribuir esta importante forma alternativa de aprender a acadêmicos (e não aos verdadeiros inovadores, os pais-educadores!), e negar a existência dos estágios anteriores.

Continua...